Uma tarefa árdua: Conseguir que o animal se porte como modelo

em Artigos e Entrevistas, Dicas & Tutoriais, Notícias.

  animais domésticos, modelos, fotógrafos, paciencia, conhecimento, hábitos do animal, interesse pela sessão fotográfica, filhotes, curso de fotografia focus são Paulo,  fotografe melhor, curso de fotografia sp,  Fotografias, Cursos de fotografia zona leste, focus escola de fotografia, cursos de fotografia zona leste sp, noticias sobre fotografia,  dicas de fotografia, escolas de fotografia sp, aulas de fotografia sp, melhor escola de fotografia sp,  curso de fotografia online, enio leite,  escola focus, focus fotografia , cursos de fotografia de estúdio sp,   curso de fotografia de moda, Escolas de fotografia sp,  cursos de fotografia focus, melhores cursos de fotografia do Brasil, fotografia escola sp , focus foto, fotografia curso sp, curso de fotografia  sp, cursos de fotografia sp, aulas de fotografia sp, cursos de fotografia zona sul sp, cursos de fotografia santos, melhor escola de fotografia do Brasil, focus foto, melhores cursos técnicos de fotografia sp, escola de fotografia profissional sp, aula de fotografia  sp, cursos para fotografo profissional sp,   curso profissionalizante de fotografia sp,                    cursos de fotografia sp, Fotografia, escolas de fotografias sp, curso de fotografias sp, notícias sobre fotografia, curso fotografias, melhores curso de fotografias sp, melhores cursos de fotografias Brasil, melhores cursos de fotografia SP,  aulas de fotografia,

Fotografando Pets

Embora dóceis e graciosos, nem sempre os animais domésticos colaboram na hora de serem fotografados.

Na verdade, um dos maiores problemas enfrentados pelos fotógrafos,  é justamente a participação do seus modelos: mesmo que eles sejam treinados para fazer uma série de coisas, nada garante que se portarão bem na hora certa. Por isso o fotógrafo precisa de uma boa dose de paciência e outro tanto de conhecimento a respeito dos hábitos do animal, já que, indiscutivelmente é mais fácil se acomodar a ele que obriga-lo a trabalhar para a câmera.  Para conseguir que um animal fique na pose certa no momento e no local exato, é preciso saber comandá-lo. Se você estiver fotografando seu próprio animal, certamente as dificuldades serão menores. No entanto, caso ele seja de outra pessoa, tente antes conversar com o dono e conseguir o maior número de informações a respeito do bichinho.

De qualquer forma, prepare-se para gastar bastante tempo – aproximadamente uma ou duas horas – e trabalhar muito. Caso o animal se canse ou perca o interesse pela sessão, interrompa o trabalho e recomece mais tarde. A verdade – você poderá constatá-la facilmente por conta própria – é que não adianta tentar forçar o animal a fazer o que ele não quer. Como ele absolutamente não disfarça seus sentimentos, o resultado desse esforço são sempre fotos infelizes de um bicho mais infeliz ainda.

Equipamento

Qualquer objetiva pode servir para fazer boas fotos. Há, no entanto, algumas situações onde não se devem usar certos equipamentos. Um animal de focinho comprido fotografado de perto com uma grande angular fica horrível. Já um animal muito pequeno, fotografado com uma objetiva normal, muitas vezes parece um pequeno ponto perdido na imensidão da cena. Uma teleobjetiva média, de 85 ou 105 mm, pode ser uma boa solução. Caso o animal não se movimente muito, ela permite que você fique a certa distância e, ao mesmo tempo, evita que as imagens contenham muitos elementos dispersos ao fundo. Lembre-se, no entanto, de que quanto maior a distancia focal da objetiva, menor a profundidade de campo da imagem. Assim, se você estiver trabalhando com uma tele e quiser aumentar a profundidade de campo, vai ter que usar abertura pequena.

Cenários e Iluminação

O jardim costuma ser o melhor lugar para fotografar animais domésticos. Cães e gatos ficam mais tranquilos nesse local, onde tem espaço de sobra para correr e se distrair entre uma pose e outra. Além disso, você também tem maior liberdade de movimentos. Quanto ao cenário, lembre-se de que os melhores fundos são os mais simples. É preferível fotografar o animal contra a grama ou contra o céu do que usar um canteiro de flores para esse fim. O foco deve ser feito nos olhos do animal e deve-se, de preferência, usar um ângulo de tomada baixo para que ele não pareça ainda menor do que já é.

Frequentemente as fotos de animais domésticos apresentam áreas sombreadas no corpo, ou por causa do focinho ou da orelha grande ou do rabo. Se as fotos forem feitas num dia de sol, essa dificuldade se acentua. Por isso, procure coloca-los na sombra ou trabalhar num dia nublado. Caso esteja trabalhando na sombra,  fotometre guiando-se apenas pelas regiões mais escuras. Se, por outro lado, você preferir fotografar dentro de casa, experimente colocar o animal perto de uma janela ou de uma porta aberta, para que ele receba bastante luz. Se você precisar usar um flash, tome alguns cuidados. Determinados animais – principalmente os gatos – ficam muito nervosos coma súbita descarga de luz. Por isso, use sempre o flash rebatido no teto ou em alguma parede, evitando apontá-lo diretamente para os olhos do animal. O uso de iluminação fixa pode trazer dificuldades, pois o animal precisa ficar num só lugar. Se, de qualquer forma você quiser utilizar esse arranjo, prepare antes o cenário e só então traga o animal para o local. Para manter o bicho parado, peça para alguém segurá-lo. Um auxiliar será sempre útil: você se concentra no equipamento e ele cuida do animal. E agora, um truque: focalize de ante mão a câmera para um local determinado e faça um sinal para seu ajudante soltar o animal. Quando ele estiver passando pela região que foi focalizada previamente, acione o disparador.

Animais Pequenos

 È inútil tentar fazer closes de camundongos ou hamsters, caso você esta utilizando uma objetiva normal. Eles nunca preencherão totalmente o quadro e sempre haverá espaço sobrando. Se você não tiver outra objetiva, peça que uma criança segure o bichinho e o coloque sobre o ombros. Desse modo, a expressão da criança torna a foto mais interessante. Para fazer closes animais, é preciso usar uma tele objetiva de 85 ou 105 mm que permita focalizar a menos de 1 metro de distância.  Os  camundongos e hamsters, quando colocados sobre uma tela de metal, ficam parados bastante tempo. Eles não gostam do frio e ficam imóveis até se acostumarem com a nova situação. Os hamsters também costumam ficar parados bastante tempo enquanto comem.

Um bom fundo para essas fotos pode ser uma folha de papel de cor que contraste com o pêlo do animal. O arranjo pode ficar até mesmo dentro de casa, pois esses animais não costumam se incomodar muito com a luz do flash. De qualquer forma, procure rebater a luz para conseguir melhores imagens. Os coelhos e porquinhos da índia são ótimos modelos fotográficos, pois costumam ficar parados bastante tempo na mesma posição. Quando se movimentam, no entanto, fazem-no de forma rápida e precisa. Nesse caso, vale mais a pena mudar a posição da câmera que tentar focalizar novamente. Evite fotografar estes animais na gaiola, pois as grades laterais e o teto bloqueiam a passagem da luz e provocam o surgimento de sombras sobre o animal. Caso o bicho não seja branco, a imagem tende a perder a força, principalmente se o fundo também for escuro. A melhor solução é colocar o animal sobre uma mesa coberta com uma folha de papel ou um retalho de tecido de cor lisa, que fornece um fundo melhor e mais uniforme para a imagem.

Gatos

Procure fotografá-los no local onde se encontram. Em outras palavras, traga a câmera ate onde eles estão, em vez de tentar fazê-los posar. O melhor momento para fotografar um gato é logo após a refeição, quando ele está satisfeito e fica refestelado em seu esconderijo preferido. Neste instante de calma e relaxamento, ele não se importa muito com a presença do fotógrafo. Os gatos são ótimos alpinistas. Se você conseguir, vale a pena fotografar um subindo a uma árvore. Se por acaso ele ficar encoberto por algumas folhas ou por um galho, espere que ele se movimente em direção a uma parte do tronco relativamente livre de folhagem. Há um truque que pode lhe ajudar: experimente colocar um pouco de comida num ponto estratégico da árvore, escolhido com antecedência, regule a câmera para ele e espere até que o animal descubra o petisco. Quando isso acontecer, comece a fotografar. Se você quiser que o animal olhe em sua direção, basta fazer algum ruído suave. Cuidado apenas com o volume, pois, com muito barulho, ele pode se assustar e sair correndo. Um chamado carinhoso costuma ser uma formula bastante eficiente. Outra boa ideia é fotografar  um gato que se distrai com um novelo de lã ou algum outro objeto interessante, principalmente se acompanhado de seus filhos. Um último conselho, que nunca é demais repetir: os gatos se irritam bastante com a luz do flash. Por isso, procure evitar o uso desse acessório, sempre que possível. E, se não houver alternativa, aponte-o para o teto ou parede. Se os gatos temem a luz do flash, há uma solução que pode ser do agrado de ambos: o photoflood. Essas lâmpadas desprendem muito calor e aqueles animais gostar de ficar em locais aquecidos. Assim, sempre que for possível, substitua o flash por lâmpadas fixas.

Lembre-se de que os pelos dos gatos, fica mais vistoso durante o inverno. Se ele for preto, é provável que você tenha que aumentar a exposição em um ponto ou um ponto e meio. Não sendo possível agir dessa maneira, faça uma leitura no gato e outra no fundo – a exposição correta será a média das duas.

Cães

Quando bem treinados, os cães ficam facilmente sob controle do fotógrafo. No entanto, isso não quer dizer que são muito fáceis de fotografar. Geralmente, ficam excitados com muita felicidade e costumam encarar uma sessão fotográfica como um empecilho para suas atividades. Essa situação é ainda mais evidente quando se trabalha com filhotes. Neste caso, talvez valha a pena colocá-los dentro de uma caixa de madeira ou de uma cesta, e fotografá-los tentando subir pelas paredes para ganharem a liberdade.

Os cães maiores respondem facilmente a ruídos. Um assobio faz com que fiquem atentos e um pouco de conversa pode servir para acalmar um pouco sua excitação e fazê-los olharem para a câmera. Essa característica pode ser aproveitada para provoca poses: peça a alguém para subir ao andar de cima e ficar numa janela. A um sinal seu, a janela é fechada com um certo ruído. Fotografe quando ele olhar pra cima.

Sobre o autor

ATENÇÃO: OS TEXTOS, MATÉRIAS TÉCNICAS, APRESENTADAS NESSE BLOG SÃO PESQUISADAS, SELECIONADAS E PRODUZIDAS PELOS ALUNOS, PROFESSORES E COLABORADORES DA FOCUS PARA USO MERAMENTE DIDÁTICO E COMPLEMENTAR ÁS AULAS DE FOTOGRAFIA NAS MODALIDADES DE CURSOS PRESENCIAIS OU A DISTÂNCIA EAD, MANTIDOS PELA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA, SEM QUALQUER OUTRO TIPO DE PROPÓSITO, RELEVÂNCIA OU CONOTAÇÃO. PARA MAIORES INFORMAÇÕES CONSULTE https://focusfoto.com.br A Focus é a única escola de fotografia no Brasil, que oferece ao aluno o direito de obter seu REGISTRO LEGALIZADO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL, emitido pelo Ministério do Trabalho, por meio de cursos com carga horária total de 350 horas, incluindo períodos de estágio, preparo e defesa de TCC OS CURSOS DA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA SÃO RECONHECIDOS PELA LEI N. 9.394, ARTIGO 44, INCISO 1 (LEI DE EDUCAÇÃO) O REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL é unificado, sendo o mesmo obtido pelas melhores Universidades Públicas do Estado de São Paulo. E você poderá obtê-lo EM QUALQUER MODALIDADE DE CURSOS DA FOCUS, presenciais ou a distância EAD em menos de 6 meses de curso. O aluno obterá seu REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL diretamente nas agências regionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Este registro é fundamental para o exercício legal da profissão, constituição de seu próprio negócio, ingressos em concursos públicos e processos admissionários em empresas de fotografia, públicas ou particulares, bancos de imagens, agências de notícias, jornalismo e consularização de seu registro de fotógrafo, caso queira trabalhar em outros países ou Ongs. Internacionais, como "FOTÓGRAFOS SEM FRONTEIRAS" entre outras modalidades. SEJA FOTÓGRAFO DEVIDAMENTE REGULAMENTADO. QUALIDADE E EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO FOTOGRÁFICA É NOSSO DIFERENCIAL HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS. Os alunos recém-formados pela Focus competem em nível de igualdade com fotógrafos profissionais que estão no mercado há mais de 30 anos. Na FOCUS, o aluno entra no mercado de trabalho pela porta da frente! Os alunos, após formados, são encaminhados para o mercado de trabalho. Cursos 100% práticos, apostilados e com plantão de dúvidas. Faça bem feito, faça Focus! Há mais de 44 anos formando novos profissionais. AUTOR DO PROJETO e MEDIADOR DESSE BLOG: Prof. Dr. Enio Leite Alves, Professor Titular aposentado da Universidade de São Paulo, nascido em São Paulo, SP, 1953. PROF. DR. ENIO LEITE: Área de atuação: Fotografia educacional, fotografia autoral, fotojornalismo, moda, propaganda e publicidade. Pesquisador iconográfico. Sociólogo, jornalista, físico, fotoquímico, inventor e docente universitário. Fotografo de imprensa desde 1967, prestando serviços para os Diários Associados e professor do Sesc e do Curso de Artes Fotográficas Senac Dr. Vila Nova, São Paulo. Fotografo do Jornal da Tarde em 1972 -1973. Em 1975, funda a FOCUS – ESCOLA DE FOTOGRAFIA, primeira instituição de ensino técnico e tecnológico da AMÉRICA LATINA. No mesmo ano, suas fotos são premiadas na 13ª Bienal Internacional de São Paulo, quando a fotografia passa a reconhecida pela primeira vez como obra de valor artístico. Enio Leite, fundador do MOVIMENTO PHOTOUSP no início dos anos 70, com Raul Garcez e Sergio Burgi, entre outros, no centro acadêmico da Escola Politécnica, na Cidade Universitária, São Paulo-SP. Professor de fotografia publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing, (ESPM), 1982 a 1984. Mestre em Ciências da Comunicação em 1990, pela Escola de Comunicação e Artes, USP. Doutor em História da Fotografia, Fotoquímica, Óptica fotográfica e Fotografia Publicitária Digital, em 1993, pela UNIZH, Suíça. No ano de 1997 obteve Livre Docência na Universitá Degli Studi di Roma Tre. Professor convidado pela Miami Dade University, Flórida, 1995. Pesquisador e escritor, publicou o primeiro livro didático em língua portuguesa sobre fotografia digital, Editora Viena, São Paulo, maio 2011, já na quarta edição e presente nas principais universidades brasileiras portuguesas. Colabora com artigos, ensaios, pesquisas e títulos sobre fotoquímica, radioquímica, técnica fotográfica, tecnologia digital da imagem, semiótica e filosofia da imagem para publicações especializadas nacionais e internacionais. (Fonte: Agência Estado - 12/03/2019)

Deixe seu comentário

  • (não será mostrado)