Técnica Fotográfica: as objetivas

em Artigos e Entrevistas, Dicas & Tutoriais, Notícias.

(11) 3104 6951,  cursos profissionalizantes de fotografia sp,   Técnica fotográfica, distância focal, objetiva normal, controle da luminosidade, números f/, profundidade de campo, super teleobjetivas,   Fotografia, escolas de fotografias sp, cursos de fotografia sp, curso de fotografias sp, notícias sobre fotografia, curso fotografias, melhores curso de fotografias sp, melhores cursos de fotografias sp, curso de fotografia sp melhores,   fotografia notícias, curso de fotografia,escola focus, cursos de fotografia zona sul, cursos de fotografia sp, cursos de fotografia zona leste, focus, focus fotografia, fotografia cursos sp, focus escola de fotografia, focus foto, curso de fotografia sp, cursos de photoshop, cursos de fotografia online, enio leite, dicas fotografia, focus foto, curso técnico de fotografia sp, melhores escolas de fotografia sp, aulas de fotografia sp , escola de fotografia sp

Exemplos de distancia focal

A nitidez de uma imagem fotografada determina sua qualidade; e a responsável por essa nitidez é a objetiva – que focaliza a luz que vai sensibilizar a superfície do sensor.

A distância focal 

Distância focal é o espaço compreendido entre o sensor e o centro óptico da objetiva, focada no infinito (para uma objetiva normal, isso significa: dirigida para objetos a mais de 30 metros de distância). Há uma experiência que facilita a compreensão do que seja a distância focal: com o auxílio de uma lente, focalize o sol, fazendo com que seus raios incidam sobre uma folha de papel; nesse ponto o papel se queimará. A objetiva transmite a imagem para o sensor da mesma forma. Em ambos os casos, a distância entre o centro óptico da objetiva e a imagem é a “distância focal”.

Agora imagine uma lente disposta entre a chama de uma vela e uma folha de papel. A distância entre o papel e a lente, necessária para obter uma imagem nítida, é maior do que no caso anterior, quando você focalizou raios solares. Quanto mais próximo o objeto da câmera, mais distante a objetiva deve ficar do sensor para focalizar corretamente.

Os elementos da objetiva vêm montados em dois tubos dotados de roscas solidárias entre si. Ao girar o tubo interno, este avança ou recua. Quanto mais próximo você focar, mais a objetiva avança, e vice-versa. Uma objetiva de 50mm numa câmera de sensor de quadro cheio consegue, em geral, focar um objeto, no mínimo, a 30-50cm de distância.

Numa câmera de sensor de quadro cheio, uma lente normal de 50mm tem quase a mesma amplitude visual do olho humano. Para fotografar com maior abrangência ou tornar mais próximo um objeto, você precisa de lentes com distâncias focais diferentes. Uma grande-angular, por exemplo, com distância focal curta (menor que 35mm), fornece uma ampla tomada do cenário, enquanto uma teleobjetiva (com distância focal muito maior) alcança detalhes de objetos longínquos.

A objetiva normal

As objetivas chamadas “normais” abrangem, como o olho humano, um ângulo entre 45° e 50° do cenário. A distância focal costuma ser quase igual à diagonal do sensor de quadro cheio; e, como o tamanho do sensor varia, a distância focal de uma objetiva normal depende do tipo de sensor usado. Para uma câmera de sensor de quadro cheio, a objetiva normal é a de 50mm; já para uma de sensor cropado, como o APS-C, uma objetiva normal teria uma distância focal em torno de 35mm.

Controle da luminosidade

Um orifício chamado “abertura” é o responsável pelo controle da intensidade de luz que atinge o sensor. Ele trabalha como a pupila dos olhos – aumenta no escuro, para permitir a entrada de mais luz, e diminui no claro. O diafragma (uma íris mecânica) controla a abertura da objetiva. Quanto mais fraca a luz, maior deve ser a abertura da objetiva, para manter o equilíbrio da luminosidade.

Os números f/ 

As câmeras simples possuem, em geral, ajuste de abertura automático. Já no caso das DSLRs, é possível alterar a abertura do diafragma manualmente, percorrendo-se a escala de números “f”, ou “f-stops”. Quanto maior o número “f”, menor será a abertura; por exemplo, a graduação f2.8 deixa entrar mais luz do que a f5.6 e, conseqüentemente, muito mais que o número f16.

Profundidade de campo 

Ao regular o número “f”, você também altera a profundidade de campo, isto é, a parte da cena que aparece em foco no visor. A escala de profundidade de campo indica qual a área, na frente e atrás do objeto, que está em foco. Se você alterar a abertura passando pelos diversos números “f”, verá como esse controle pode ser usado para colocar em segundo plano um fundo indesejável – enfatizando o objeto principal – ou para tirar uma foto nítida do primeiro plano ao infinito.

Como mudar o ângulo de tomada 

A distância focal comanda o ângulo de tomada, isto é, a parte do cenário abrangida pela objetiva. Assim, é possível fotografar uma mesma cena de várias formas, apenas trocando a objetiva.

Se, em vez de trocar a objetiva, você movimentar a câmera para incluir uma outra parte da paisagem, o ângulo de tomada continuará o mesmo, mas o tamanho do objeto mudará em relação ao fundo.

As diversas objetivas

Há uma grande variedade de objetivas hoje em dia, o que permite ao fotógrafo escolher a de distância focal adequada ao tipo de foto que pretende fazer. As objetivas de 28mm, 50mm e 135mm conseguem dar conta da maior parte das situações. Além dessas, há as grande-angulares com menos de 28mm de distância focal e as teleobjetivas com mais de 200mm de distância focal.

A menor distância focal da objetiva de 20mm proporciona grande profundidade de campo, isto é, quase toda a foto fica nítida e com foco razoável. Você deve levar em conta a distorção da imagem da borda do quadro, embora na fabricação esse defeito esteja sendo atenuado. Já certas grande-angulares, como a olho-de-peixe de 8mm, não são corrigidas, o que resulta numa tomada completamente circular; apenas no centro da foto há proporções semelhantes às reais.

Super Teleobjetivas

Como a de 1000mm – mostram detalhes de objetos distantes que, sozinhos, parecem normais. Se outros elementos são incluídos na frente ou atrás do objeto principal, os diferentes planos vão aparecer achatados na fotografia. As objetivas com distância focal muito longa tornam a profundidade de campo extremamente pequena, o que dificulta bastante o foco.

Texto extraído da obra:

PRIMEIRO LIVRO DIDÁTICO SOBRE FOTOGRAFIA DIGITAL – 2. Edição

“FOTOGRAFIA DIGITAL – APRENDENDO A FOTOGRAFAR COM QUALIDADE”

Autor: Prof. Dr. Enio Leite, Editora Viena, São Paulo, Brasil, Janeiro 2013

16 cm x 23 cm, 432 paginas.

Fonte: http://focusfoto.com.br/?p=16423


						

Sobre o autor

ATENÇÃO: OS TEXTOS, MATÉRIAS TÉCNICAS, APRESENTADAS NESSE BLOG SÃO PESQUISADAS, SELECIONADAS E PRODUZIDAS PELOS ALUNOS, PROFESSORES E COLABORADORES DA FOCUS PARA USO MERAMENTE DIDÁTICO E COMPLEMENTAR ÁS AULAS DE FOTOGRAFIA NAS MODALIDADES DE CURSOS PRESENCIAIS OU A DISTÂNCIA EAD, MANTIDOS PELA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA, SEM QUALQUER OUTRO TIPO DE PROPÓSITO, RELEVÂNCIA OU CONOTAÇÃO. PARA MAIORES INFORMAÇÕES CONSULTE https://focusfoto.com.br A Focus é a única escola de fotografia no Brasil, que oferece ao aluno o direito de obter seu REGISTRO LEGALIZADO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL, emitido pelo Ministério do Trabalho, por meio de cursos com carga horária total de 350 horas, incluindo períodos de estágio, preparo e defesa de TCC OS CURSOS DA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA SÃO RECONHECIDOS PELA LEI N. 9.394, ARTIGO 44, INCISO 1 (LEI DE EDUCAÇÃO) O REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL é unificado, sendo o mesmo obtido pelas melhores Universidades Públicas do Estado de São Paulo. E você poderá obtê-lo EM QUALQUER MODALIDADE DE CURSOS DA FOCUS, presenciais ou a distância EAD em menos de 6 meses de curso. O aluno obterá seu REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL diretamente nas agências regionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Este registro é fundamental para o exercício legal da profissão, constituição de seu próprio negócio, ingressos em concursos públicos e processos admissionários em empresas de fotografia, públicas ou particulares, bancos de imagens, agências de notícias, jornalismo e consularização de seu registro de fotógrafo, caso queira trabalhar em outros países ou Ongs. Internacionais, como "FOTÓGRAFOS SEM FRONTEIRAS" entre outras modalidades. SEJA FOTÓGRAFO DEVIDAMENTE REGULAMENTADO. QUALIDADE E EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO FOTOGRÁFICA É NOSSO DIFERENCIAL HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS. Os alunos recém-formados pela Focus competem em nível de igualdade com fotógrafos profissionais que estão no mercado há mais de 30 anos. Na FOCUS, o aluno entra no mercado de trabalho pela porta da frente! Os alunos, após formados, são encaminhados para o mercado de trabalho. Cursos 100% práticos, apostilados e com plantão de dúvidas. Faça bem feito, faça Focus! Há mais de 44 anos formando novos profissionais. AUTOR DO PROJETO e MEDIADOR DESSE BLOG: Prof. Dr. Enio Leite Alves, Professor Titular aposentado da Universidade de São Paulo, nascido em São Paulo, SP, 1953. PROF. DR. ENIO LEITE: Área de atuação: Fotografia educacional, fotografia autoral, fotojornalismo, moda, propaganda e publicidade. Pesquisador iconográfico. Sociólogo, jornalista, físico, fotoquímico, inventor e docente universitário. Fotografo de imprensa desde 1967, prestando serviços para os Diários Associados e professor do Sesc e do Curso de Artes Fotográficas Senac Dr. Vila Nova, São Paulo. Fotografo do Jornal da Tarde em 1972 -1973. Em 1975, funda a FOCUS – ESCOLA DE FOTOGRAFIA, primeira instituição de ensino técnico e tecnológico da AMÉRICA LATINA. No mesmo ano, suas fotos são premiadas na 13ª Bienal Internacional de São Paulo, quando a fotografia passa a reconhecida pela primeira vez como obra de valor artístico. Enio Leite, fundador do MOVIMENTO PHOTOUSP no início dos anos 70, com Raul Garcez e Sergio Burgi, entre outros, no centro acadêmico da Escola Politécnica, na Cidade Universitária, São Paulo-SP. Professor de fotografia publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing, (ESPM), 1982 a 1984. Mestre em Ciências da Comunicação em 1990, pela Escola de Comunicação e Artes, USP. Doutor em História da Fotografia, Fotoquímica, Óptica fotográfica e Fotografia Publicitária Digital, em 1993, pela UNIZH, Suíça. No ano de 1997 obteve Livre Docência na Universitá Degli Studi di Roma Tre. Professor convidado pela Miami Dade University, Flórida, 1995. Pesquisador e escritor, publicou o primeiro livro didático em língua portuguesa sobre fotografia digital, Editora Viena, São Paulo, maio 2011, já na quarta edição e presente nas principais universidades brasileiras portuguesas. Colabora com artigos, ensaios, pesquisas e títulos sobre fotoquímica, radioquímica, técnica fotográfica, tecnologia digital da imagem, semiótica e filosofia da imagem para publicações especializadas nacionais e internacionais. (Fonte: Agência Estado - 12/03/2019)

Comentários

  1. Aristeu A Oliveira -

    Oi estava lendo o artigo sobre objetivas e me deparei um uma informação que deixou dúvidas: “Quanto maior o número “f”, maior a abertura” esta correto essa informação?

  2. Enio Leite -

    Tens razão Aristeu, quando maior o número f/, menor será a abertura, menor será a passadem de luz, grato!

Deixe seu comentário

  • (não será mostrado)