Robert Doisneau

Informações, artigos, tutoriais e novidades
sobre o mundo da fotografia

DOISNEAU SOBRE O BANIMENTO DA DESORDEM

em Artigos e Entrevistas, Dicas & Tutoriais, dicas de fotografia

“Atualmente tenta-se expulsar o homem, alinham-se as fachadas, não se tem mais o direito de instalar um puxadinho sem autorização pessoal do ministro da Cultura. Na minha cidade, meu avô havia construído um pequeno imóvel. Ao lado, o patronato tinha seus alpendres; mais adiante, o empreiteiro de pintura guardava material debaixo de lonas. Cada um…

DOISNEAU SOBRE A BELEZA E A EFEMERIDADE

em Artigos e Entrevistas

“Ao passo que sinto muito pouco prazer percorrendo os bairros franceses que nunca conheceram as barricadas. A vida aí é invisível, oculta, como que ainda por algumas transações secretas. Fechado do lado de fora, penso na ingênua baronesa de Haussmann, que, com seu jeito afetado, dizia: ‘Como é estranho, cada vez que o meu marido…

DOISNEAU SOBRE A VERDADEIRA FELICIDADE

em Artigos e Entrevistas, Dicas & Tutoriais, dicas de fotografia

“Há dias em que sentimos o simples fato de ver como uma verdadeira felicidade; ficamos leves, leves; os guardas param os carros para que possamos atravessar. Sentimo-nos tão ricos que nos vem a vontade de partilhar com os outros com alegria imensa. É domingo, conforme cantava o encanador de Prévert. A lembrança desses momentos é…

DOISNEAU SOBRE “BAILE NO HÔTEL LAMBERT”, 1950

em Artigos e Entrevistas

 “[…] Não se sabe mais hoje o que eram os eventos em que se reunia o Tout-Paris, o Tout-Londres, o Tout-Nova York. Quem não tivesse recebido o cartão podia se considerar o último dos últimos. Maurice, meu fiel assistente, e eu, com nossos smokings alugados – ajustados graças a alguns alfinetes de segurança – e…

DOISNEAU SOBRE “PHILIPPEAU, ENRICO E OLHA PANTREMOLI”

em Artigos e Entrevistas, Dicas & Tutoriais

“Monsieur Philippe foi para mim a luz da lanterninha me guiando no filme de terror da Ocupação Alemã, durante a Segunda Grande Guerra Mundial. No primeiro dia ele me causou um pouco de medo. É claro, eu tinha improvisado alguns documentos para amigos em dificuldades, mas ele caía em cima de mim, bem informado, e…

DOISNEAU SOBRE A FELICIDADE DE VER

em Artigos e Entrevistas, Dicas & Tutoriais, dicas de fotografia

“Há dias em que sentimos o simples fato de ver como uma verdadeira felicidade; ficamos leves, leves; os guardas param os carros para que possamos atravessar. Sentimo-nos tão ricos que nos vem a vontade de partilhar com os outros com alegria imensa. É domingo, conforme cantava o encanador de Prévert. A lembrança desses momentos é…

DOISNEAU SOBRE O CHARME DAS CIDADES

em Artigos e Entrevistas, Dicas & Tutoriais

“O charme das cidades, por fim cá estamos, é como o das flores; ele se deve em parte ao tempo que vemos deslizar sobre elas. O charme precisa do efêmero. Não há nada mais indigesto que uma cidade-museu consolidada por próteses de concreto. Paria não corre o risco de se tornar uma cidade-museu; o dinamismo…

DOISNEAU SOBRE SUAS MEMÓRIAS DE INFÂNCIA

em Dicas & Tutoriais

“De minha infância, resta-me num canto da memória um castelo de Grand Meaulnes, mas, afora isso, nada do que provei anteriormente tinha me deixa uma obsessão tão esplêndida, portanto eu não podia contar senão com a minha habilidade manual no manejo da Rolleiflex e a utilização astuta das ampolas de flash. Acrescentemos, para dar uma…

DOISNEAU SOBRE “CLAUDE, O ESTIVADOR”, 1950

em Artigos e Entrevistas, Dicas & Tutoriais, dicas de fotografia

“Conheci Claude, o estivador, num bistrô onde, no sábado à noite, ele fazia uma demonstração de homem insensível. Ele perfurava as faces e as orelhas com alfinetes. Quando sangrava demais, dizia como desculpa: ‘Peguei um osso!’. Ele morava em cima do bistrô Les 4 Sergents de La Rochelle, onde esta imagem foi feita. Pin-up desnudável…

DOISNEAU SOBRE “MADAME RITA”, 1954

em Dicas & Tutoriais

“No café, as mulheres sozinhas fazem ar de quem espera alguém, fica mais conveniente; mas Rita, acomodada num pequeno bistrô da Rue de La Montagne-Saint-Geneviéve, não se preocupa com isso. Cheirava tabaco, bebia, fumava com todo o seu tempo diante dela. Não mais jovenzinha, ela não tinha pressa. Eu sabia que ela era corsa, e…