Quantos clicks dura uma câmera digital?

em Artigos e Entrevistas, Dicas & Tutoriais, Serviços.

escola focus durabilidade do obturador de cortina enio leite escolafocus blog focusfoto blog

durabilidade do obturador de cortina

Uma das maiores vantagens das câmeras digitais é que se pode fotografar à vontade, sem preocupação com o preço de filme ou revelação. A conseqüência mais óbvia disso é que muito mais gente passou a tirar dezenas de milhares de fotos em questão de meses, algo que nos tempos do filme só os profissionais podiam fazer. E passaram a ter que prestar atenção em uma especificação técnica que até então só era preocupante para os profissionais: a expectativa de vida do obturador.

De vez em quando alguém até pergunta sobre a vida útil das câmeras digitais, mas desconfio que a maioria nunca pensou nisso. Pois saibam que muitas reflex digitais amadoras são feitas para durar “apenas” 50 mil fotos, enquanto algumas Micro Four Thirds têm expectativa de vida de 30 mil – algo que quem gosta de “largar o dedo” no disparador consegue atingir em coisa de um ano, ainda mais nos modelos capazes de “bursts” de mais de 10 quadros por segundo. Não por acaso, a durabilidade do obturador é uma das diferenças para os modelos profissionais, preparados para agüentar entre 100 e 300 mil cliques.

A boa notícia é que, para quem tem uma câmera compacta e cuida bem dela, a durabilidade raramente será um problema. Muitas dessas câmeras mais simples têm obturadores eletrônicos, bem mais resistentes que os mecânicos das câmeras reflex pelo simples fato de não terem partes móveis. Outras combinam os dois tipos, mas ainda assim têm uma expectativa de vida maior que a das reflex amadoras porque seu obturador mecânico é mais simples. Sem falar que é bem menos comum tirar tantas fotos com uma compacta e você provavelmente vai querer trocá-la por um modelo mais moderno antes de chegar ao limite.

É claro que a câmera – ou, mais precisamente, seu obturador – não se autodestrói espontaneamente quando o contador chega nesses patamares. Existem exemplares que duram bem mais, e outros que falham antes – como fica evidente no extenso banco de dados compilado pelo fotógrafo e programador Oleg Kikin. O que o número indica é a durabilidade estimada pelo fabricante, ainda que poucos se dêem ao trabalho de divulgar a informação nas especificações técnicas.

Na eventualidade do obturador falhar, até é possível recorrer a uma assistência técnica para substituí-lo. Só que o custo raramente compensa para uma câmera amadora – justamente aquelas com menor expectativa de vida. Na época que qualquer reflex digital custava milhares de dólares, podia até ser. Hoje, só mesmo para as topo-de-linha.

Quantas fotos já tirei?

Se, a esta altura, você está se perguntando quantas fotos já tirou com a sua câmera, uma opção é simplesmente olhar o número no final dos nomes dos arquivos gravados por ela – o problema é que está contagem pode ser zerada manualmente ou totalmente alterada se você usar os mesmos cartões de memória em mais de uma câmera. E o contador costuma “virar” a cada 10 mil fotos, então só daria para ter certeza com um acompanhamento mais sistemático.

Uma dica é apelar para o site MyShutterCount. Basta fazer o upload de uma foto recente, sem edição fora da câmera, que o serviço extrai o número de disparos registrado nos metadados EXIF do arquivo. Pode não funcionar para algumas marcas e modelos, mas é um bom  ponto de partida. Existem também programas como PhotoME, que exibem todas as informações disponíveis no arquivo, e o EOSInfo, para alguns modelos da Canon, que extraem a contagem direto da câmera.

Quem for realmente obsessivo e resolver comparar a numeração do cartão com a obtida por um desses programas provavelmente encontrará duas contagens diferentes. É assim mesmo… o contador da câmera já vem com algumas exposições “de fábrica”, provavelmente resultado de testes, e avança mesmo quando disparamos a câmera sem cartão de memória, aumentando  discrepância.

Saber o número de fotos tiradas por uma câmera pode ser especialmente importante na hora de adquirir uma reflex usada. Embora a única forma de ter certeza da contagem seja levar a câmera numa assistência técnica, muitas vezes basta perguntar ao vendedor. Se um modelo com vida útil estimada em 50 mil cliques já tiver chegado aos 40 mil, por exemplo, é melhor continuar procurando.

Fonte: http://www.techtudo.com.br/platb/fotografia/2011/11/28/quanto-dura-uma-camera-digital/

Sobre o autor

ATENÇÃO: OS TEXTOS, MATÉRIAS TÉCNICAS, APRESENTADAS NESSE BLOG SÃO PESQUISADAS, SELECIONADAS E PRODUZIDAS PELOS ALUNOS, PROFESSORES E COLABORADORES DA FOCUS PARA USO MERAMENTE DIDÁTICO E COMPLEMENTAR ÁS AULAS DE FOTOGRAFIA NAS MODALIDADES DE CURSOS PRESENCIAIS OU A DISTÂNCIA EAD, MANTIDOS PELA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA, SEM QUALQUER OUTRO TIPO DE PROPÓSITO, RELEVÂNCIA OU CONOTAÇÃO. PARA MAIORES INFORMAÇÕES CONSULTE https://focusfoto.com.br A Focus é a única escola de fotografia no Brasil, que oferece ao aluno o direito de obter seu REGISTRO LEGALIZADO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL, emitido pelo Ministério do Trabalho, por meio de cursos com carga horária total de 350 horas, incluindo períodos de estágio, preparo e defesa de TCC OS CURSOS DA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA SÃO RECONHECIDOS PELA LEI N. 9.394, ARTIGO 44, INCISO 1 (LEI DE EDUCAÇÃO) O REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL é unificado, sendo o mesmo obtido pelas melhores Universidades Públicas do Estado de São Paulo. E você poderá obtê-lo EM QUALQUER MODALIDADE DE CURSOS DA FOCUS, presenciais ou a distância EAD em menos de 6 meses de curso. O aluno obterá seu REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL diretamente nas agências regionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Este registro é fundamental para o exercício legal da profissão, constituição de seu próprio negócio, ingressos em concursos públicos e processos admissionários em empresas de fotografia, públicas ou particulares, bancos de imagens, agências de notícias, jornalismo e consularização de seu registro de fotógrafo, caso queira trabalhar em outros países ou Ongs. Internacionais, como "FOTÓGRAFOS SEM FRONTEIRAS" entre outras modalidades. SEJA FOTÓGRAFO DEVIDAMENTE REGULAMENTADO. QUALIDADE E EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO FOTOGRÁFICA É NOSSO DIFERENCIAL HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS. Os alunos recém-formados pela Focus competem em nível de igualdade com fotógrafos profissionais que estão no mercado há mais de 30 anos. Na FOCUS, o aluno entra no mercado de trabalho pela porta da frente! Os alunos, após formados, são encaminhados para o mercado de trabalho. Cursos 100% práticos, apostilados e com plantão de dúvidas. Faça bem feito, faça Focus! Há mais de 44 anos formando novos profissionais. AUTOR DO PROJETO e MEDIADOR DESSE BLOG: Prof. Dr. Enio Leite Alves, Professor Titular aposentado da Universidade de São Paulo, nascido em São Paulo, SP, 1953. PROF. DR. ENIO LEITE: Área de atuação: Fotografia educacional, fotografia autoral, fotojornalismo, moda, propaganda e publicidade. Pesquisador iconográfico. Sociólogo, jornalista, físico, fotoquímico, inventor e docente universitário. Fotografo de imprensa desde 1967, prestando serviços para os Diários Associados e professor do Sesc e do Curso de Artes Fotográficas Senac Dr. Vila Nova, São Paulo. Fotografo do Jornal da Tarde em 1972 -1973. Em 1975, funda a FOCUS – ESCOLA DE FOTOGRAFIA, primeira instituição de ensino técnico e tecnológico da AMÉRICA LATINA. No mesmo ano, suas fotos são premiadas na 13ª Bienal Internacional de São Paulo, quando a fotografia passa a reconhecida pela primeira vez como obra de valor artístico. Enio Leite, fundador do MOVIMENTO PHOTOUSP no início dos anos 70, com Raul Garcez e Sergio Burgi, entre outros, no centro acadêmico da Escola Politécnica, na Cidade Universitária, São Paulo-SP. Professor de fotografia publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing, (ESPM), 1982 a 1984. Mestre em Ciências da Comunicação em 1990, pela Escola de Comunicação e Artes, USP. Doutor em História da Fotografia, Fotoquímica, Óptica fotográfica e Fotografia Publicitária Digital, em 1993, pela UNIZH, Suíça. No ano de 1997 obteve Livre Docência na Universitá Degli Studi di Roma Tre. Professor convidado pela Miami Dade University, Flórida, 1995. Pesquisador e escritor, publicou o primeiro livro didático em língua portuguesa sobre fotografia digital, Editora Viena, São Paulo, maio 2011, já na quarta edição e presente nas principais universidades brasileiras portuguesas. Colabora com artigos, ensaios, pesquisas e títulos sobre fotoquímica, radioquímica, técnica fotográfica, tecnologia digital da imagem, semiótica e filosofia da imagem para publicações especializadas nacionais e internacionais. (Fonte: Agência Estado - 12/03/2019)

Deixe seu comentário

  • (não será mostrado)