PROFUNDIDADE DE CAMPO

em Dicas & Tutoriais.

profundidade de campo escola focus tecnica fotografia enio leite dicas de fotografia aprenda a fotografar

Observe a alteração de tamanho dos círculos de confusão no brilho da área de desfoque, com ambas as aberturas

A profundidade de campo depende basicamente de três fatores: abertura utilizada, da distância ao objeto e do círculo de confusão.

O foco se forma em apenas um plano, onde o círculo de confusão é tão pequeno que pode ser considerado um “ponto”.

Quando a luz atinge o filme ou adiante, ou atrás do plano de foco, o tamanho do círculo no filme aumenta, dando a impressão de desfoque. O tamanho deste circulo também depende da qualidade óptica da sua lente.

Se é digital ou filme não faz diferença.  Se o grão ou o pixel é grande ou pequeno não faz diferença. Uma digital “full-frame” gera imagens com a mesma profundidade de campo que uma câmera de filme 35mm pois o círculo de confusão é o mesmo.

Num sensor digital de compacta a profundidade de campo TAMBÉM não muda. As máquinas compactas usam objetivas que ficam ali entre 7 e 21mm, mais ou menos. Uma objetiva destas, de 15mm, em f/5.6, permite A MESMA profundidade de campo que qualquer outra 15mm, em iguais f/5.6. Ou, em outras palavras, uma 15mm de compacta, uma 15mm de câmera SLR filme ou uma 15mm de grande formato, todas proporcionam a MESMA profundidade de campo.

NO ENTANTO, na compacta,a lente de  15mm lhe servirá como se fosse uma normal. Na câmera reflex, de filme 35mm ela funcionará como uma super grande angular, porque o campo de visão é maior. Mas faça a mesma foto, na mesma distância focal e com a mesma abertura e a profundidade de campo será exatamente a mesma. O que muda é o tamanho do círculo de confusão, pois a imagem da compacta terá que ser ampliada mais vezes para gerar uma, digamos, 10x15cm.

Se em uma SLR de filme o fotógrafo acoplasse uma 15mm o tempo todo em f/5.6, ele também reclamaria que “nesta câmera não tem como desfocar o fundo”. Exatamente da mesma maneira em relação às compactas digitais.

E a distância focal também não importa se o enquadramento é o mesmo. Uma grande angular de 21mm não proporciona uma profundidade de campo maior que uma 200mm se o enquadramento é o mesmo. Importante ressaltar o “se o enquadramento é o mesmo”. Faça o teste. Fotografe uma modelo com uma 200mm.

Dê muitos pasos à frente e faça a mesma foto (o mesmo enquadramento) com uma 20mm. A profundidade de campo será a mesma. Mudará a perspectiva e o achatamento dos planos. Mas a profundidade de campo não mudará. Esse raciocínio é importante pois ele mostra que para fazer um retrato qualquer (plano americano, por exemplo), não adianta nada usar uma objetiva de 50mm e se aproximar do modelo achando que por ser 50mm você terá mais Profundidade de Campo. Ou mudar para uma 200mm buscando menos Profundidade de Campo.

Contanto que as imagens sejam sempre em plano americano (o mesmo enquadramento), a Profundidade de Campo será a mesma.

A profundidade de campo também depende do tamanho do grão do filme utilizado. Quando o circulo de confusão fica *menor* que o grão do filme, o foco já está no máximo possível para este filme, ou seja, ele é absoluto, e isso é a realidade.

Quando se utiliza um sensor de imagem (seja ele CCD ou CMOS), a célula do sensor é muito maior que o grão de um filme de grão fino, e por isso, a câmera digital achata os planos e perde profundidade de campo.

Para que o foco seja absoluto em uma câmera digital basta que o circulo de confusão fique menor que a célula do sensor.Baseado neste fato, sempre afirmei que uma câmera com maior densidade de pontos tem mais precisão de foco e mais profundidade de campo, e isso também é fato.

Vale ainda lembrar que a escala de profundidade de campo em uma lente é baseada em  ISO 100 (os mais utilizados), apresenta mínima densidade de ruído, mas se fizermos a uma experiência com câmeras full-frame, o resultado será incontestavelmente diferente, mas o experimento deve ser feito com sensores de tamanhos diferentes, e não mudando apenas o ISO da mesma câmera. A qualidade óptica da lente também é fator determinante para redução da densidade de ruídos. Pense nisto da próxima vez que for fotografar certo?

Texto:  Enio Leite – Focus Escola de Fotografia- http://www.escolafocus.com.br

Sobre o autor

ATENÇÃO: OS TEXTOS, MATÉRIAS TÉCNICAS, APRESENTADAS NESSE BLOG SÃO PESQUISADAS, SELECIONADAS E PRODUZIDAS PELOS ALUNOS, PROFESSORES E COLABORADORES DA FOCUS PARA USO MERAMENTE DIDÁTICO E COMPLEMENTAR ÁS AULAS DE FOTOGRAFIA NAS MODALIDADES DE CURSOS PRESENCIAIS OU A DISTÂNCIA EAD, MANTIDOS PELA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA, SEM QUALQUER OUTRO TIPO DE PROPÓSITO, RELEVÂNCIA OU CONOTAÇÃO. PARA MAIORES INFORMAÇÕES CONSULTE https://focusfoto.com.br A Focus é a única escola de fotografia no Brasil, que oferece ao aluno o direito de obter seu REGISTRO LEGALIZADO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL, emitido pelo Ministério do Trabalho, por meio de cursos com carga horária total de 350 horas, incluindo períodos de estágio, preparo e defesa de TCC OS CURSOS DA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA SÃO RECONHECIDOS PELA LEI N. 9.394, ARTIGO 44, INCISO 1 (LEI DE EDUCAÇÃO) O REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL é unificado, sendo o mesmo obtido pelas melhores Universidades Públicas do Estado de São Paulo. E você poderá obtê-lo EM QUALQUER MODALIDADE DE CURSOS DA FOCUS, presenciais ou a distância EAD em menos de 6 meses de curso. O aluno obterá seu REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL diretamente nas agências regionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Este registro é fundamental para o exercício legal da profissão, constituição de seu próprio negócio, ingressos em concursos públicos e processos admissionários em empresas de fotografia, públicas ou particulares, bancos de imagens, agências de notícias, jornalismo e consularização de seu registro de fotógrafo, caso queira trabalhar em outros países ou Ongs. Internacionais, como "FOTÓGRAFOS SEM FRONTEIRAS" entre outras modalidades. SEJA FOTÓGRAFO DEVIDAMENTE REGULAMENTADO. QUALIDADE E EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO FOTOGRÁFICA É NOSSO DIFERENCIAL HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS. Os alunos recém-formados pela Focus competem em nível de igualdade com fotógrafos profissionais que estão no mercado há mais de 30 anos. Na FOCUS, o aluno entra no mercado de trabalho pela porta da frente! Os alunos, após formados, são encaminhados para o mercado de trabalho. Cursos 100% práticos, apostilados e com plantão de dúvidas. Faça bem feito, faça Focus! Há mais de 44 anos formando novos profissionais. AUTOR DO PROJETO e MEDIADOR DESSE BLOG: Prof. Dr. Enio Leite Alves, Professor Titular aposentado da Universidade de São Paulo, nascido em São Paulo, SP, 1953. PROF. DR. ENIO LEITE: Área de atuação: Fotografia educacional, fotografia autoral, fotojornalismo, moda, propaganda e publicidade. Pesquisador iconográfico. Sociólogo, jornalista, físico, fotoquímico, inventor e docente universitário. Fotografo de imprensa desde 1967, prestando serviços para os Diários Associados e professor do Sesc e do Curso de Artes Fotográficas Senac Dr. Vila Nova, São Paulo. Fotografo do Jornal da Tarde em 1972 -1973. Em 1975, funda a FOCUS – ESCOLA DE FOTOGRAFIA, primeira instituição de ensino técnico e tecnológico da AMÉRICA LATINA. No mesmo ano, suas fotos são premiadas na 13ª Bienal Internacional de São Paulo, quando a fotografia passa a reconhecida pela primeira vez como obra de valor artístico. Enio Leite, fundador do MOVIMENTO PHOTOUSP no início dos anos 70, com Raul Garcez e Sergio Burgi, entre outros, no centro acadêmico da Escola Politécnica, na Cidade Universitária, São Paulo-SP. Professor de fotografia publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing, (ESPM), 1982 a 1984. Mestre em Ciências da Comunicação em 1990, pela Escola de Comunicação e Artes, USP. Doutor em História da Fotografia, Fotoquímica, Óptica fotográfica e Fotografia Publicitária Digital, em 1993, pela UNIZH, Suíça. No ano de 1997 obteve Livre Docência na Universitá Degli Studi di Roma Tre. Professor convidado pela Miami Dade University, Flórida, 1995. Pesquisador e escritor, publicou o primeiro livro didático em língua portuguesa sobre fotografia digital, Editora Viena, São Paulo, maio 2011, já na quarta edição e presente nas principais universidades brasileiras portuguesas. Colabora com artigos, ensaios, pesquisas e títulos sobre fotoquímica, radioquímica, técnica fotográfica, tecnologia digital da imagem, semiótica e filosofia da imagem para publicações especializadas nacionais e internacionais. (Fonte: Agência Estado - 12/03/2019)

Deixe seu comentário

  • (não será mostrado)