“O Brasil encaretou muito!”, diz Bob Wolfenson em Paris

em Artigos e Entrevistas.

Brasil, careta, Bob Wolfenson, Paris, estúdios, fotógrafos contemporâneos, novo livro, Focus escola de fotografia, curso de fotografia, aula de fotografia, focus fotografia, escola focus

O fotógrafo brasileiro Bob Wolfenson nos estúdios da RFI, em Paris. Foto: RFI/Márcia Bechara

RFI/Márcia Bechara

 Ele é paulistano da gema, cresceu no bairro do Bom Retiro, em São Paulo, e aos 16 anos já trabalhava nos estúdios da editora Abril.

O RFI Convida hoje Bob Wolfenson, um dos mais importantes fotógrafos contemporâneos do país, que falou sobre seu trabalho, o novo livro que autografa em Paris e a “onda moralista que o Brasil enfrenta”.

Bob Wolfenson veio a Paris lançar o livro que leva seu nome na Paris Photo, um dos maiores eventos mundiais da fotografia de arte. “Paris e Nova Iorque são as capitais mundiais da fotografia. Eu venho sempre à cidade e frequento os eventos fotográficos, as exposições, faço uma imersão fotográfica cada vez que venho aqui”, conta Wolfenson.

“O livro surgiu de uma ideia do Roberto Linsker, fotógrafo que tem uma editora de fotografia que se chama Terra Virgem, ele me procurou querendo fazer um livro com meu trabalho para a coleção Fotógrafos Viajantes. E ele começou a selecionar, meu acervo é monstruoso, tem mais de 250 mil negativos, o resto é digital”, conta.

“O Linsker decidiu fechar uma história no setor de mulheres da minha carreira e fez um livro só sobre elas. São musas, não-musas, o livro tem uma anarquia própria de alguém que está olhando o seu trabalho. Eu faria um livro mais racional, com o conceito mais fechado. Ele fez um livro mais anárquico, e eu acho isso muito bom, gostei bastante do resultado”, relata Wolfenson, que participa pela primeira vez de Paris Photo. 

50 anos de carreira

São quase 50 anos de carreira, e são raras as personalidades que não passaram pelas lentes de Bob Wolfenson, como Caetano Veloso, Fernanda Torres, Darcy Ribeiro, Jô Soares, Dorival Caymmi e Ney Matogrosso. Que encontros marcaram o fotógrafo?

“Acho que toda fotografia é um encontro. Parafraseando um pouco Vinícius de Moraes, a fotografia também é arte do encontro. Com as não-regras do encontro, você não sabe exatamente o que vai acontecer. Você tem a sua constante, que é a câmera fotográfica, a luz, e o resto depende dessa simbiose entre você e o retratado”, detalha o artista paulistano.

“Um bom encontro é um trabalho de confiança, esse trabalho precisa dessa confiança mútua. Posso citar muitos casos: Caetano, João Cabral de Melo neto, Darcy Ribeiro, o Jô, o Neymar, o Pelé, o Lula, a Dilma…”, conta Wolfenson.

“Não é preciso necessariamente haver intimidade. É preciso haver alguma coisa… Na verdade um bom retrato é um mistério. O Richard Avedon, grande fotógrafo americano, dizia que a fotografia não é a captação da alma, fotografia é superfície. É o que está representado naquele momento, naquelas condições, no exato momento daquele encontro. Há fotos boas e fotos ruins, independentemente deste rito”, completa.

Brasil encaretou muito 

Sobre o Brasil, Bob Wolfenson diz que o país encaretou “muito” [uma foto sua do Queer Museu foi retirada do Instagram]. “É uma loucura. Eu acho que esse livro – embora não tivesse essa intenção – veio num momento bom. Obviamente eu acho que serei atacado por essa onda moralista, porque o livro tem um monte de mulheres nuas, talvez pela causa feminista, porque podem achar que há uma objetificação da mulher, mas eu acho que não havia momento melhor, esse livro veio no momento certo”, finaliza o fotógrafo.

Bob Wolfenson contou ainda que, durante a seleção de fotos para o livro, a atriz Sônia Braga autorizou a publicação de uma foto sua nua, “apenas para o livro, não para o material de divulgação”. Com os últimos acontecimentos no Brasil, e a censura a eventos artísticos, Sônia Braga voltou atrás e enviou um email ao fotógrafo, dizendo que fazia questão que sua foto nua fizesse parte do material de divulgação.

Fonte: https://goo.gl/95HBNd

FOCUS Escola de Fotografia –  http://focusfoto.com.br
Conheça os novos cursos da Focus: http://focusfoto.com.br/cursos/

Confira opinião de Ex-Alunos: https://goo.gl/yRlkM9
Fale com a Focus: WhasApp – 11 92515-2047

Veja TCC de Alunos: https://focusfoto.com.br/tag/tcc/

Sobre o autor

ATENÇÃO: OS TEXTOS, MATÉRIAS TÉCNICAS, APRESENTADAS NESSE BLOG SÃO PESQUISADAS, SELECIONADAS E PRODUZIDAS PELOS ALUNOS, PROFESSORES E COLABORADORES DA FOCUS PARA USO MERAMENTE DIDÁTICO E COMPLEMENTAR ÁS AULAS DE FOTOGRAFIA NAS MODALIDADES DE CURSOS PRESENCIAIS OU A DISTÂNCIA EAD, MANTIDOS PELA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA, SEM QUALQUER OUTRO TIPO DE PROPÓSITO, RELEVÂNCIA OU CONOTAÇÃO. PARA MAIORES INFORMAÇÕES CONSULTE https://focusfoto.com.br A Focus é a única escola de fotografia no Brasil, que oferece ao aluno o direito de obter seu REGISTRO LEGALIZADO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL, emitido pelo Ministério do Trabalho, por meio de cursos com carga horária total de 350 horas, incluindo períodos de estágio, preparo e defesa de TCC OS CURSOS DA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA SÃO RECONHECIDOS PELA LEI N. 9.394, ARTIGO 44, INCISO 1 (LEI DE EDUCAÇÃO) O REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL é unificado, sendo o mesmo obtido pelas melhores Universidades Públicas do Estado de São Paulo. E você poderá obtê-lo EM QUALQUER MODALIDADE DE CURSOS DA FOCUS, presenciais ou a distância EAD em menos de 6 meses de curso. O aluno obterá seu REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL diretamente nas agências regionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Este registro é fundamental para o exercício legal da profissão, constituição de seu próprio negócio, ingressos em concursos públicos e processos admissionários em empresas de fotografia, públicas ou particulares, bancos de imagens, agências de notícias, jornalismo e consularização de seu registro de fotógrafo, caso queira trabalhar em outros países ou Ongs. Internacionais, como "FOTÓGRAFOS SEM FRONTEIRAS" entre outras modalidades. SEJA FOTÓGRAFO DEVIDAMENTE REGULAMENTADO. QUALIDADE E EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO FOTOGRÁFICA É NOSSO DIFERENCIAL HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS. Os alunos recém-formados pela Focus competem em nível de igualdade com fotógrafos profissionais que estão no mercado há mais de 30 anos. Na FOCUS, o aluno entra no mercado de trabalho pela porta da frente! Os alunos, após formados, são encaminhados para o mercado de trabalho. Cursos 100% práticos, apostilados e com plantão de dúvidas. Faça bem feito, faça Focus! Há mais de 44 anos formando novos profissionais. AUTOR DO PROJETO e MEDIADOR DESSE BLOG: Prof. Dr. Enio Leite Alves, Professor Titular aposentado da Universidade de São Paulo, nascido em São Paulo, SP, 1953. PROF. DR. ENIO LEITE: Área de atuação: Fotografia educacional, fotografia autoral, fotojornalismo, moda, propaganda e publicidade. Pesquisador iconográfico. Sociólogo, jornalista, físico, fotoquímico, inventor e docente universitário. Fotografo de imprensa desde 1967, prestando serviços para os Diários Associados e professor do Sesc e do Curso de Artes Fotográficas Senac Dr. Vila Nova, São Paulo. Fotografo do Jornal da Tarde em 1972 -1973. Em 1975, funda a FOCUS – ESCOLA DE FOTOGRAFIA, primeira instituição de ensino técnico e tecnológico da AMÉRICA LATINA. No mesmo ano, suas fotos são premiadas na 13ª Bienal Internacional de São Paulo, quando a fotografia passa a reconhecida pela primeira vez como obra de valor artístico. Enio Leite, fundador do MOVIMENTO PHOTOUSP no início dos anos 70, com Raul Garcez e Sergio Burgi, entre outros, no centro acadêmico da Escola Politécnica, na Cidade Universitária, São Paulo-SP. Professor de fotografia publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing, (ESPM), 1982 a 1984. Mestre em Ciências da Comunicação em 1990, pela Escola de Comunicação e Artes, USP. Doutor em História da Fotografia, Fotoquímica, Óptica fotográfica e Fotografia Publicitária Digital, em 1993, pela UNIZH, Suíça. No ano de 1997 obteve Livre Docência na Universitá Degli Studi di Roma Tre. Professor convidado pela Miami Dade University, Flórida, 1995. Pesquisador e escritor, publicou o primeiro livro didático em língua portuguesa sobre fotografia digital, Editora Viena, São Paulo, maio 2011, já na quarta edição e presente nas principais universidades brasileiras portuguesas. Colabora com artigos, ensaios, pesquisas e títulos sobre fotoquímica, radioquímica, técnica fotográfica, tecnologia digital da imagem, semiótica e filosofia da imagem para publicações especializadas nacionais e internacionais. (Fonte: G1 - 12/03/2020)

Deixe seu comentário

  • (não será mostrado)