HISTORIADORA LANÇA LIVRO COM A PRIMEIRA FOTOGRAFIA DO RIO DE JANEIRO

em Notícias.

Chafariz colonial no Largo do Paço. Daguerreótipo atribuído a Louis Comte, de 1840, reproduzido no livro O Oriental-Hydrographe e a Fotografia como primeira fotografia da cidade do Rio de Janeiro – Reprodução de foto de Louis Comte no livro O Oriental-Hydrographe e a fotografia

Cerca de 9 minutos foi o tempo necessário para se obter
uma das primeiras imagens do Rio de Janeiro, captada em janeiro de 1840 por
Louis Comte.

Agência Brasil

O tempo, que hoje se reduz a menos de 1 segundo para tirar
uma fotografia e já ver o resultado, surpreendeu na época o Jornal do
Commercio. “É preciso ter visto a coisa com os seus próprios olhos para poder
fazer ideia da rapidez e do resultado da operação”, diz artigo publicado no dia
17 de janeiro daquele ano.

Essa era a primeira vez que um ensaio com um daguerreótipo,
primeiro aparelho que possibilitou o processo fotográfico, chegava “do lado de
cá”, como anunciou o jornal. A fotografia retrata o chafariz colonial no Largo
do Paço, no centro do Rio de Janeiro.

Foi em busca da história dessa e de outras imagens tiradas na mesma expedição que a historiadora da Universidade Federal Fluminense, Maria Inez Turazzi, começou, em 2001, a investigar a expedição Oriental-Hydrographe, que trouxe para o Brasil e para outros países da América Latina, “o engenhoso instrumento de Daguerre”, como chama do Jornal do Commercio. A pesquisa virou livro: O Oriental-Hydrographe e a fotografia, cuja versão em português conta com apoio do Instituto Moreira Salles (IMS). A publicação será lançada hoje (16), no IMS, no Rio, mas já pode ser acessada na íntegra, na internet. 

O Oriental-Hydrographe era, segundo Maria Inez, um projeto
ambicioso que pretendia educar jovens da aristocracia francesa para os novos
negócios pelo mundo da Marinha Mercante. Isso ocorre em uma época em que a
Marinha francesa se reestruturava após as derrotas no período Napoleônico,
quando a França era liderada por Napoleão Bonaparte.

A embarcação, que pretendia dar a volta ao mundo, deixou o
porto francês de Paimboeuf, em 25 de setembro de 1839, naufragou em 23 de junho
de 1840, em águas chilenas, na América do Sul. Ninguém morreu e todos os
equipamentos a bordo foram salvos. A expedição sofreu várias críticas devido à
postura liberal do capitão e ao abandono por parte de especialistas e
professores, que foram deixando o navio ao longo do trajeto.

“Com essa história, ela nunca entrou para os anais da
Marinha francesa, dos grandes viajantes, sempre foi uma história encoberta por
um silêncio, que é um silêncio em torno de uma experiência fracassada de uma
Marinha poderosa que tinha depositado muitas expectativas nesse projeto”, diz
Maria Inez. “Mas para nós, nunca foi considerada um fracasso porque, para nós,
tinha uma novidade que marcou a história da cultura visual latino-americana
desde então”.

A historiadora explica, no entanto, que apesar de ser
responsável por integrar a América do Sul ao processo da difusão da fotografia,
o daguerreótipo não era a única inovação à bordo e nem o principal objetivo da
expedição. “[Havia] um aparelho para moldar fisionomias, que chamava
fisionotipo; uma cozinha, que destilava água salgada e transformava em água
doce, o que é muito importante para os navios, porque não precisavam levar
tanta água doce, podiam abrir os porões para cargas. O navio era cheio de
novidades”.

A pesquisa para a publicação foi conduzida em vários países.
Maria Inez passou por França, Portugal – onde o daguerreótipo também foi
apresentado à rainha, Maria II, mas falhou -, Chile e Uruguai, onde o livro foi
editado, pelo Centro de Fotografia de Montevideo. A publicação possui, além da
versão em português, versão em espanhol, em inglês e deverá ter também versão
em francês.

A obra está escrita, de acordo com a Maria Inez, para
atender tanto o público leigo quanto o especializado. Traz no final do livro e
de cada capítulo, as referências das informações usadas no texto. O livro traz
também tanto fotografias, quanto gravuras e outras imagens, que eram as
referências na época.

“Não é uma história da fotografia apenas ou da câmera
fotográfica dentro de um navio. É a história de um mundo que está numa expansão
de negócios por via marítima e das suas novidades, da cultura europeia. É uma
história que tem que articular a presença do aparelho com as relações
econômicas, políticas e culturais da época”, diz.

Essa semana, para se preparar para o lançamento da publicação, Maria Inez visitou os pontos que foram há anos, imortalizados. “O Rio continua sendo uma cidade com uma combinação da paisagem construída e da paisagem natural, uma combinação muito singular, muito impactante.

Mas, é uma visão que a gente se encanta a distância e continua se chocando com a proximidade”, diz. “Estar sempre em confronto entre a cidade de ontem e a cidade de hoje [nas fotografias e na pesquisa], leva a gente a refletir sobre o significado desse crescimento urbano e das políticas públicas para a cidade. A desigualdade só cresce”.

Fonte: https://bit.ly/2sCcjuQ

Aproveite para conferir outras notícias sobre a história
da fotografia brasileira no blog da Escola Focus.

PIONEIRISMO E INOVAÇÃO:
FOCUS Escola de Fotografia – Desde
1975:  
https://focusfoto.com.br    

CONFIRA TCC DE ALUNOS DA ESCOLA FOCUS!  https://focusfoto.com.br/tag/tcc/

BOLSA DE EMPREGOS PARA ALUNOS DA FOCUS
https://focusfoto.com.br/categoria/empregos/

Opinião de Ex- Alunos que
estudaram na FOCUS!
https://goo.gl/C235XR
Blog de Fotografia:  https://focusfoto.com.br/blogs/

Flickr – Foto Galeria dos Alunos da Escola Focus
https://www.flickr.com/photos/focus_escola_de_fotografia/

#história_fotografia_Brasil       #dicas   #noticias #dicas_fotografia  #escola_focus #focus   focus_escola_de_fotografia  #focusfoto  #focus_fotografia #alunos_fotografia #cursos_fotografia  #escolas_de_fotografia    #aulas_fotografia  #enio_leite    #cursosdefotografia

Sobre o autor

ATENÇÃO: OS TEXTOS, MATÉRIAS TÉCNICAS, APRESENTADAS NESSE BLOG SÃO PESQUISADAS, SELECIONADAS E PRODUZIDAS PELOS ALUNOS, PROFESSORES E COLABORADORES DA FOCUS PARA USO MERAMENTE DIDÁTICO E COMPLEMENTAR ÁS AULAS DE FOTOGRAFIA NAS MODALIDADES DE CURSOS PRESENCIAIS OU A DISTÂNCIA EAD, MANTIDOS PELA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA, SEM QUALQUER OUTRO TIPO DE PROPÓSITO, RELEVÂNCIA OU CONOTAÇÃO. PARA MAIORES INFORMAÇÕES CONSULTE https://focusfoto.com.br A Focus é a única escola de fotografia no Brasil, que oferece ao aluno o direito de obter seu REGISTRO LEGALIZADO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL, emitido pelo Ministério do Trabalho, por meio de cursos com carga horária total de 350 horas, incluindo períodos de estágio, preparo e defesa de TCC OS CURSOS DA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA SÃO RECONHECIDOS PELA LEI N. 9.394, ARTIGO 44, INCISO 1 (LEI DE EDUCAÇÃO) O REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL é unificado, sendo o mesmo obtido pelas melhores Universidades Públicas do Estado de São Paulo. E você poderá obtê-lo EM QUALQUER MODALIDADE DE CURSOS DA FOCUS, presenciais ou a distância EAD em menos de 6 meses de curso. O aluno obterá seu REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL diretamente nas agências regionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Este registro é fundamental para o exercício legal da profissão, constituição de seu próprio negócio, ingressos em concursos públicos e processos admissionários em empresas de fotografia, públicas ou particulares, bancos de imagens, agências de notícias, jornalismo e consularização de seu registro de fotógrafo, caso queira trabalhar em outros países ou Ongs. Internacionais, como "FOTÓGRAFOS SEM FRONTEIRAS" entre outras modalidades. SEJA FOTÓGRAFO DEVIDAMENTE REGULAMENTADO. QUALIDADE E EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO FOTOGRÁFICA É NOSSO DIFERENCIAL HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS. Os alunos recém-formados pela Focus competem em nível de igualdade com fotógrafos profissionais que estão no mercado há mais de 30 anos. Na FOCUS, o aluno entra no mercado de trabalho pela porta da frente! Os alunos, após formados, são encaminhados para o mercado de trabalho. Cursos 100% práticos, apostilados e com plantão de dúvidas. Faça bem feito, faça Focus! Há mais de 44 anos formando novos profissionais. AUTOR DO PROJETO e MEDIADOR DESSE BLOG: Prof. Dr. Enio Leite Alves, Professor Titular aposentado da Universidade de São Paulo, nascido em São Paulo, SP, 1953. PROF. DR. ENIO LEITE: Área de atuação: Fotografia educacional, fotografia autoral, fotojornalismo, moda, propaganda e publicidade. Pesquisador iconográfico. Sociólogo, jornalista, físico, fotoquímico, inventor e docente universitário. Fotografo de imprensa desde 1967, prestando serviços para os Diários Associados e professor do Sesc e do Curso de Artes Fotográficas Senac Dr. Vila Nova, São Paulo. Fotografo do Jornal da Tarde em 1972 -1973. Em 1975, funda a FOCUS – ESCOLA DE FOTOGRAFIA, primeira instituição de ensino técnico e tecnológico da AMÉRICA LATINA. No mesmo ano, suas fotos são premiadas na 13ª Bienal Internacional de São Paulo, quando a fotografia passa a reconhecida pela primeira vez como obra de valor artístico. Enio Leite, fundador do MOVIMENTO PHOTOUSP no início dos anos 70, com Raul Garcez e Sergio Burgi, entre outros, no centro acadêmico da Escola Politécnica, na Cidade Universitária, São Paulo-SP. Professor de fotografia publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing, (ESPM), 1982 a 1984. Mestre em Ciências da Comunicação em 1990, pela Escola de Comunicação e Artes, USP. Doutor em História da Fotografia, Fotoquímica, Óptica fotográfica e Fotografia Publicitária Digital, em 1993, pela UNIZH, Suíça. No ano de 1997 obteve Livre Docência na Universitá Degli Studi di Roma Tre. Professor convidado pela Miami Dade University, Flórida, 1995. Pesquisador e escritor, publicou o primeiro livro didático em língua portuguesa sobre fotografia digital, Editora Viena, São Paulo, maio 2011, já na quarta edição e presente nas principais universidades brasileiras portuguesas. Colabora com artigos, ensaios, pesquisas e títulos sobre fotoquímica, radioquímica, técnica fotográfica, tecnologia digital da imagem, semiótica e filosofia da imagem para publicações especializadas nacionais e internacionais. (Fonte: Agência Estado - 12/03/2019)

Deixe seu comentário

  • (não será mostrado)