Fotógrafo, quanto vale o seu trabalho?

em Artigos e Entrevistas, Dicas & Tutoriais, dicas de fotografia, Serviços.

Fotografo autônomo, fotografo empregado, fotográfo empresário,Hospital Einstein, Teoria Marxista, Mais Valia, mercado, mercado de trabalho, fotografia publicitária, negócio, impostos obrigações sociais, registro Mtb fotógrafo profissional,  curso de fotopublcidade,  escola focus, (11) 3107 219, cursos de fotografia em sp,  aulas de fotografia, aulas de fotografia online, aulas de fotografia sp, curso de fotografia, curso de fotografia para profissionais, curso de fotografia profissional sp, curso de fotografia sp, curso foto, curso fotografia focus, curso fotografia são Paulo, curso fotografias, curso profissionalizante de fotografia, curso técnico de fotografia sp, cursos de fotografia online, cursos de fotografia santos sp, cursos de fotografia sp, cursos de fotografia zona leste sp, cursos de fotografia zona oeste, cursos de fotografia zona sul sp, cursos de fotojornalismo sp, cursos de photoshop, cursos profissionalizantes de fotografia, cursos vips de fotografia, Dicas & Tutoriais, dicas de fotografia, Direito Autoral, escola de fotografia sp, escola focus de fotografia, escolas de fotografia, escolas de fotografia profissional, escolas de fotografia sp, escolas de fotografias sp, focus curso de fotografia, focus escola de fotografia, focus foto, focus fotografia, fotografe melhor, fotografia & marketing, fotografia aula sp, fotografia cursos, fotografia escolas sp, fotografia focus são Paulo, fotografia moda e beleza, fotografia profissional, fotógrafo, melhor escola de fotografia, melhores curso de fotografia sp, melhores cursos de fotografia do Brasil, melhores cursos de fotografia SP, melhores escolas de fotografia Brasil, mercado de trabalho, notícias, notícias sobre fotografia, técnica fotográfica,

O preço da fotografia profissional

Por Enio Leite

Um dia desses cheguei mais cedo na sala de aula e deparei com uma calorosa discussão entre três alunos, todos médicos plantonistas do Hospital Israelita Albert Einstein.

Apesar do Einstein ser um dos hospitais que mais remunera no Brasil, havia um grande descontentamento monopolizando as atenções em aula de fotografia.

Aproveitei a ocasião, naquele momento, para procurar compreender, junto com os outros alunos presentes, como se porta o mercado de trabalho.

Sim, um papo simples,  sem dados, estatísticas, análises de conjuntura econômica, etc. Apenas baseado nas constatações empíricas de todos os presentes.

O primeiro ponto a ser considerado foi o fator da concorrência.  Ele também contribui com a remuneração do empregado.  Mas, nosso  bate papo não para por ai.

A teoria Marxista do século XIX,  tendo como base os pensadores como Adam Smith e David Ricardo,  a revolução industrial e o desenvolvimento do sistema capitalista, desenvolveu o conceito da “mais valia”, onde a mão de obra do empregado é remunerada por um valor muito mais baixo do que ela realmente vale.

Aquilo que levou décadas para Mark, constatar e teorizar, alguns empregados sentem na pele, sem nenhuma cerimônia. Para os especialistas em macroeconomia, isto é sinal que este segmento do mercado de trabalho já está inflacionado.

Entenda que seu trabalho tem um determinado valor, mas seu empregador irá remunerá-lo em 10%. Ou ainda em 5%, caso você seja terceirizado.

Pouco? Sem dúvida!  Nossos alunos médicos que o digam.

Mas, e o empregador? Estaria agindo de má fé? Vejamos o caso de uma companhia aérea, cujo avião acaba de decolar com apenas 20%, deixando as demais poltronas vazias. Ou de um ônibus, intermunicipal ou interestadual, nas mesmas condições. A empresa terá que arcar com todos os custos. Principalmente se estiverem passando por um período de crise. Em suma, toda a atividade profissional é uma atividade de riscos.

Por outro lado, a empresa arca com altos impostos, obrigações sociais, contabilidade, etc. Resumindo, esses valores acabam equivalendo a um salario e meio a mais na manutenção de cada funcionário. Muitas delas acabam terceirando mão de obra para competir no mercado com preços menores. Não importando sua posição ou prestigio.

Por outro lado, se o empregador não estiver levando nenhuma vantagem sobre seu funcionário, ele simplesmente não o emprega.

E  para você estar empregado, com  estabilidade, receber 13. Salario, férias, etc., deverá  se contentar  com seu salário.

Se o seu empregador tiver espírito de empreendedor ele fará com seu trabalho renda muito mais para a empresa, além do valor que você atribuiu a ele.

Mas, você, na condição de fotografo profissional experiente, com conhecimento técnico, registro Mtb de fotógrafo profissional,  com expediente de trabalho, criativo, comunicativo, valha R$ 100.000,00/mês e não se sujeita a receber 10% desse valor de seu empregador.

A saída será vender seu trabalho diretamente no mercado, como fotógrafo autônomo e ser empresário de seus serviços.. Nessa situação, você deverá ser muito bom, gozar de certa notoriedade e prestígio, ter um marketing pessoal afiado, senão ninguém irá contrata-lo.

Sua realidade, nesse momento, não será diferente de seu empregador, que já luta nesse mercado há algum tempo.

Seu cliente sabe que seu trabalho e o trabalho de seus concorrentes valem R$ 100.000,00/mês. Mas, nenhum cliente, em sã consciência irá te pagar isso. O máximo que você irá conseguir, se a concorrência não te atrapalhar muito, será R$ 40.000,00/mês.

Sua cliente pensa exatamente como seu ex-patrão. Se ele não levar nenhuma vantagem, com certeza não irá fechar negócio contigo.

Da mesma forma que para você R$ 40.000,00 é pouco, para ele R$ 40.000,00 é muito! E ele só se sujeitará a pagar isso, se conseguir fazer com que suas fotos valham mais para o negócio dele e consigam disparar suas vendas, para patamares ainda não atingidos. Suas fotos para o seu cliente nada mais é do que um investimento! E todos nós queremos investir pouco para arrecadar muito!

Com o tempo, você fotógrafo autônomo, passará a ser uma celebridade do mundo fotográfico. Seu valor irá aumentar na mesma proporção. Assim como as exigências de seus novos clientes, que com certeza estarão pagando muito mais pelos seus serviços.

Mas, no final, o preço que eles pagam não importa O que importa é que seus clientes estarão sempre faturando em cima de você. Ou é assim, ou você é descartado do mercado.

Você, fotografo, não é o único contemplado disso. Veja os grandes atletas, os grandes jogadores de futebol.  Quando mais eles ganham, mais dinheiro entra para seus clubes e/ ou patrocinadores.

Este é o jogo do mercado!

Escola de Fotografia – Desde 1975: http://focusfoto.com.br 
Conheça os cursos da Focus: 
http://focusfoto.com.br/cursos/ 
Fale com a Focus: 
[email protected] 
Veja  Ultimas Noticias sobre Fotografia: 
http://focusfoto.com.br/blogs/  

Seja fotografo regulamentado. Obtenha seu registro Mtb de fotografo profissional.
Registro Profissional: Respeito & Cidadania
“Faça bem feito, faça Focus! – 1975 – 2015 = 40 anos”

Sobre o autor

ATENÇÃO: OS TEXTOS, MATÉRIAS TÉCNICAS, APRESENTADAS NESSE BLOG SÃO PESQUISADAS, SELECIONADAS E PRODUZIDAS PELOS ALUNOS, PROFESSORES E COLABORADORES DA FOCUS PARA USO MERAMENTE DIDÁTICO E COMPLEMENTAR ÁS AULAS DE FOTOGRAFIA NAS MODALIDADES DE CURSOS PRESENCIAIS OU A DISTÂNCIA EAD, MANTIDOS PELA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA, SEM QUALQUER OUTRO TIPO DE PROPÓSITO, RELEVÂNCIA OU CONOTAÇÃO. PARA MAIORES INFORMAÇÕES CONSULTE https://focusfoto.com.br A Focus é a única escola de fotografia no Brasil, que oferece ao aluno o direito de obter seu REGISTRO LEGALIZADO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL, emitido pelo Ministério do Trabalho, por meio de cursos com carga horária total de 350 horas, incluindo períodos de estágio, preparo e defesa de TCC OS CURSOS DA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA SÃO RECONHECIDOS PELA LEI N. 9.394, ARTIGO 44, INCISO 1 (LEI DE EDUCAÇÃO) O REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL é unificado, sendo o mesmo obtido pelas melhores Universidades Públicas do Estado de São Paulo. E você poderá obtê-lo EM QUALQUER MODALIDADE DE CURSOS DA FOCUS, presenciais ou a distância EAD em menos de 6 meses de curso. O aluno obterá seu REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL diretamente nas agências regionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Este registro é fundamental para o exercício legal da profissão, constituição de seu próprio negócio, ingressos em concursos públicos e processos admissionários em empresas de fotografia, públicas ou particulares, bancos de imagens, agências de notícias, jornalismo e consularização de seu registro de fotógrafo, caso queira trabalhar em outros países ou Ongs. Internacionais, como "FOTÓGRAFOS SEM FRONTEIRAS" entre outras modalidades. SEJA FOTÓGRAFO DEVIDAMENTE REGULAMENTADO. QUALIDADE E EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO FOTOGRÁFICA É NOSSO DIFERENCIAL HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS. Os alunos recém-formados pela Focus competem em nível de igualdade com fotógrafos profissionais que estão no mercado há mais de 30 anos. Na FOCUS, o aluno entra no mercado de trabalho pela porta da frente! Os alunos, após formados, são encaminhados para o mercado de trabalho. Cursos 100% práticos, apostilados e com plantão de dúvidas. Faça bem feito, faça Focus! Há mais de 44 anos formando novos profissionais. AUTOR DO PROJETO e MEDIADOR DESSE BLOG: Prof. Dr. Enio Leite Alves, Professor Titular aposentado da Universidade de São Paulo, nascido em São Paulo, SP, 1953. PROF. DR. ENIO LEITE: Área de atuação: Fotografia educacional, fotografia autoral, fotojornalismo, moda, propaganda e publicidade. Pesquisador iconográfico. Sociólogo, jornalista, físico, fotoquímico, inventor e docente universitário. Fotografo de imprensa desde 1967, prestando serviços para os Diários Associados e professor do Sesc e do Curso de Artes Fotográficas Senac Dr. Vila Nova, São Paulo. Fotografo do Jornal da Tarde em 1972 -1973. Em 1975, funda a FOCUS – ESCOLA DE FOTOGRAFIA, primeira instituição de ensino técnico e tecnológico da AMÉRICA LATINA. No mesmo ano, suas fotos são premiadas na 13ª Bienal Internacional de São Paulo, quando a fotografia passa a reconhecida pela primeira vez como obra de valor artístico. Enio Leite, fundador do MOVIMENTO PHOTOUSP no início dos anos 70, com Raul Garcez e Sergio Burgi, entre outros, no centro acadêmico da Escola Politécnica, na Cidade Universitária, São Paulo-SP. Professor de fotografia publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing, (ESPM), 1982 a 1984. Mestre em Ciências da Comunicação em 1990, pela Escola de Comunicação e Artes, USP. Doutor em História da Fotografia, Fotoquímica, Óptica fotográfica e Fotografia Publicitária Digital, em 1993, pela UNIZH, Suíça. No ano de 1997 obteve Livre Docência na Universitá Degli Studi di Roma Tre. Professor convidado pela Miami Dade University, Flórida, 1995. Pesquisador e escritor, publicou o primeiro livro didático em língua portuguesa sobre fotografia digital, Editora Viena, São Paulo, maio 2011, já na quarta edição e presente nas principais universidades brasileiras portuguesas. Colabora com artigos, ensaios, pesquisas e títulos sobre fotoquímica, radioquímica, técnica fotográfica, tecnologia digital da imagem, semiótica e filosofia da imagem para publicações especializadas nacionais e internacionais. (Fonte: Agência Estado - 12/03/2019)

Deixe seu comentário

  • (não será mostrado)