Blade Runner 2049: ficção do século 21 tem a primeira obra-prima

em Artigos e Entrevistas.

Blade Runner 2049, ficcão século 21, obra prima  Refilmagem, retomada de um filme, filme sensacional, cinema, melhores lembranças, Oscar, orçamento, expectativa, escolas de fotografia, cineasta, produto final, aula de fotografia, escola de fotografia, focus fotografia,  registro Mtb fotógrafo profissional,  escola de fotografia sp, fotografia aula sp,

Foto: Sony Pictures

Contra todas as expectativas, a continuação dirigida por Denis Villeneuve é mais e maior que o filme original

Veja/Isabela Boscov

Eram tantas as maneiras de dar errado que mal parecia possível haver uma maneira de dar certo: quantas vezes já não fui ver a refilmagem ou a retomada de um filme sensacional do passado para sair do cinema com aquele gosto de que estragaram as minhas melhores lembranças? Acho A Chegada belíssimo, e a esta altura tenho a convicção de que ele é que deveria ter levado o Oscar deste ano.

Mas nem a notícia de que o mesmo Denis Villeneuve de A Chegada e também de Incêndios, Os Suspeitos e Sicario é que dirigiria esta continuação servia como qualquer espécie de garantia; quanto mais o orçamento e a expectativa crescem, mais os estúdios interferem (ou tentam interferir) com o trabalho do cineasta, e não é raro que terminem por desfigurar o produto final.

Pois uns poucos minutos depois de as luzes da sala se apagarem meu pessimismo já se desfez, e então foi completamente esquecido. Villeneuve dá a partida em Blade Runner 2049 com tanta segurança e imaginação, e toma as rédeas do mundo criado por Ridley Scott no Blade Runner original de 1982 (baseado num livro de Philip K. Dick) com tanta autoridade, que não há dúvida: este é um filme dele, do começo ao fim, como ele o quis e o concebeu.

E que filme. Visualmente, é acachapante. Andando por toda Califórnia e indo até Las Vegas, em Nevada (o primeiro filme não saía de Los Angeles), K, o replicante interpretado por Ryan Gosling, descortina um futuro tão detalhado e desolador que é como estar lá, com ele, nas vastidões cinzentas onde se cultivam alimentos sintéticos, nos lixões a perder de vista, nos desertos cheios de ruínas e escombros, nos diques de concreto que seguram o mar cada vez mais alto – uma versão horrível do que um dia foram as praias.

Em Los Angeles, ainda mais maciça e opressiva do que antes, e lotada de refugiados russos, chineses e africanos, chove água, como no filme de Scott, mas com mais frequência ainda chovem cinzas.

Blade Runner 2049, filme cult, , ficcão século 21, obra prima

Harrison Ford em Blade Runner 2049- Foto: Sony Pictures

É o primeiro mandamento da ficção científica, e o mais difícil de cumprir de forma integral, contínua e aprofundada: se você quer mostrar um outro mundo, é preciso que a plateia sinta estar nele, viver nele também, e respirar seu ar.

Com quase três horas de duração e um ritmo muito deliberado, que Villeneuve manipula de forma a obrigar a plateia a rever suas expectativas sobre ação, catarse e recompensa, Blade Runner 2049 se desenrola com um quê de sonho. Sozinho no seu pequeno apartamento, K e sua mulher virtual, Joi (a sensacional Ana de Armas), vivem uma imitação de felicidade romântica – mas uma imitação tão cheia de anseio e de vontade que nela é que se vão encontrar os sentimentos mais autênticos de todo o filme.

Poderia aquela Las Vegas cheia de estátuas colossais enterradas na areia – as decorações que restaram dos cassinos – ser um lugar real? Na concepção de Villeneuve, nunca o foi, uma ideia que ele sublinha com os arquivos holográficos de Elvis Presley e Liberace se apresentando – tão corrompidos que engasgam, voltam e saltam adiante como se eles próprios estivessem presos num sonho ruim.

Em Blade Runner 2049, a hecatombe que década a década foi devolvendo o planeta ao pó é real, e vem conjurada pelo trabalho magistral de Roger Deakins na direção de fotografia e de Neil Gassner no desenho de produção. Mas essa esterilidade é também a expressão de uma catástrofe maior: aqui, é a ideia mesmo de humanidade que foi por terra. Reencontrar essa ideia e o significado dela é a missão que, sem saber, K se impôs.

E na qual o canandense Villeneuve, um dos muitos cineastas que decidiram se iniciar na carreira depois de verem o Blade Runner de Ridley Scott ou o 2001 – Uma Odisseia no Espaço de Stanley Kubrick, conduz K com virtuosismo e com algo muito maior ainda que sua imensa capacidade técnica e conceitual: com a certeza de que para isso, afinal, é que se faz cinema.

E, FINALMENTE… Preste muita atenção à última imagem de Blade Runner 2049 porque, com ela, Villeneuve junta este fio a um outro, inesperado e muito importante para ele.

Veja no YouTube  –  Trailer legendado: https://goo.gl/RqZtGz

Fonte: https://goo.gl/ADmGuQ

FOCUS Escola de Fotografia –  http://focusfoto.com.br
Conheça os novos cursos da Focus: http://focusfoto.com.br/cursos/

Confira opinião de Ex-Alunos: https://goo.gl/yRlkM9
Fale com a Focus: [email protected]
Veja TCC de Alunos: https://focusfoto.com.br/tag/tcc/

Sobre o autor

ATENÇÃO: OS TEXTOS, MATÉRIAS TÉCNICAS, APRESENTADAS NESSE BLOG SÃO PESQUISADAS, SELECIONADAS E PRODUZIDAS PELOS ALUNOS, PROFESSORES E COLABORADORES DA FOCUS PARA USO MERAMENTE DIDÁTICO E COMPLEMENTAR ÁS AULAS DE FOTOGRAFIA NAS MODALIDADES DE CURSOS PRESENCIAIS OU A DISTÂNCIA EAD, MANTIDOS PELA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA, SEM QUALQUER OUTRO TIPO DE PROPÓSITO, RELEVÂNCIA OU CONOTAÇÃO. PARA MAIORES INFORMAÇÕES CONSULTE https://focusfoto.com.br A Focus é a única escola de fotografia no Brasil, que oferece ao aluno o direito de obter seu REGISTRO LEGALIZADO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL, emitido pelo Ministério do Trabalho, por meio de cursos com carga horária total de 350 horas, incluindo períodos de estágio, preparo e defesa de TCC OS CURSOS DA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA SÃO RECONHECIDOS PELA LEI N. 9.394, ARTIGO 44, INCISO 1 (LEI DE EDUCAÇÃO) O REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL é unificado, sendo o mesmo obtido pelas melhores Universidades Públicas do Estado de São Paulo. E você poderá obtê-lo EM QUALQUER MODALIDADE DE CURSOS DA FOCUS, presenciais ou a distância EAD em menos de 6 meses de curso. O aluno obterá seu REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL diretamente nas agências regionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Este registro é fundamental para o exercício legal da profissão, constituição de seu próprio negócio, ingressos em concursos públicos e processos admissionários em empresas de fotografia, públicas ou particulares, bancos de imagens, agências de notícias, jornalismo e consularização de seu registro de fotógrafo, caso queira trabalhar em outros países ou Ongs. Internacionais, como "FOTÓGRAFOS SEM FRONTEIRAS" entre outras modalidades. SEJA FOTÓGRAFO DEVIDAMENTE REGULAMENTADO. QUALIDADE E EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO FOTOGRÁFICA É NOSSO DIFERENCIAL HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS. Os alunos recém-formados pela Focus competem em nível de igualdade com fotógrafos profissionais que estão no mercado há mais de 30 anos. Na FOCUS, o aluno entra no mercado de trabalho pela porta da frente! Os alunos, após formados, são encaminhados para o mercado de trabalho. Cursos 100% práticos, apostilados e com plantão de dúvidas. Faça bem feito, faça Focus! Há mais de 44 anos formando novos profissionais. AUTOR DO PROJETO e MEDIADOR DESSE BLOG: Prof. Dr. Enio Leite Alves, Professor Titular aposentado da Universidade de São Paulo, nascido em São Paulo, SP, 1953. PROF. DR. ENIO LEITE: Área de atuação: Fotografia educacional, fotografia autoral, fotojornalismo, moda, propaganda e publicidade. Pesquisador iconográfico. Sociólogo, jornalista, físico, fotoquímico, inventor e docente universitário. Fotografo de imprensa desde 1967, prestando serviços para os Diários Associados e professor do Sesc e do Curso de Artes Fotográficas Senac Dr. Vila Nova, São Paulo. Fotografo do Jornal da Tarde em 1972 -1973. Em 1975, funda a FOCUS – ESCOLA DE FOTOGRAFIA, primeira instituição de ensino técnico e tecnológico da AMÉRICA LATINA. No mesmo ano, suas fotos são premiadas na 13ª Bienal Internacional de São Paulo, quando a fotografia passa a reconhecida pela primeira vez como obra de valor artístico. Enio Leite, fundador do MOVIMENTO PHOTOUSP no início dos anos 70, com Raul Garcez e Sergio Burgi, entre outros, no centro acadêmico da Escola Politécnica, na Cidade Universitária, São Paulo-SP. Professor de fotografia publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing, (ESPM), 1982 a 1984. Mestre em Ciências da Comunicação em 1990, pela Escola de Comunicação e Artes, USP. Doutor em História da Fotografia, Fotoquímica, Óptica fotográfica e Fotografia Publicitária Digital, em 1993, pela UNIZH, Suíça. No ano de 1997 obteve Livre Docência na Universitá Degli Studi di Roma Tre. Professor convidado pela Miami Dade University, Flórida, 1995. Pesquisador e escritor, publicou o primeiro livro didático em língua portuguesa sobre fotografia digital, Editora Viena, São Paulo, maio 2011, já na quarta edição e presente nas principais universidades brasileiras portuguesas. Colabora com artigos, ensaios, pesquisas e títulos sobre fotoquímica, radioquímica, técnica fotográfica, tecnologia digital da imagem, semiótica e filosofia da imagem para publicações especializadas nacionais e internacionais. (Fonte: Agência Estado - 12/03/2019)

Deixe seu comentário

  • (não será mostrado)