7 exercícios que farão de você um fotógrafo melhor

em Dicas & Tutoriais, dicas de fotografia.

Fotógrafo melhor, modo de medição manual, histograma, configurações de exposição, fotometria, lente fixa, aula de fotografia sp, focus, cursos de fotografia sp, cursos de fotografia sp, focus escola de fotografia, melhores escolas de fotografia no Brasil, escola focus são paulo – sp,

Uso de fotômetro manual

Cid Costa Neto/IPhotoChannel

  1. Use o modo de medição pontual

Os modernos sistemas de medição têm grandes modos de uso geral, muitas vezes chamados de Matricial ou Multi-área, que fazem um excelente trabalho de acesso a uma cena e definem boas configurações de exposição “média” em muitas situações. Porém, eles não são 100% infalíveis e algumas vezes as imagens podem ficar muito escuras ou muito claras. Alternar para o modo de medição pontual coloca você no controle de onde a câmera deve medir e ajuda a desenvolver uma compreensão muito melhor do alcance tonal de uma cena.

Um sistema de medição pontual padrão permite que você meça uma parte específica de uma cena e sugere configurações de exposição que proporcionarão um tom médio ao seu alvo. Ou seja, essa área ficará dentro de fotometria em ponto médio, enquanto outras áreas da imagem poderão ficar sub ou superexposta.

  1. Verifique o histograma

Assim como a exibição de Levels em pacotes de software de edição de imagem a exibição de histograma de uma câmera é um gráfico que representa o brilho dos pixels que compõem uma imagem.

O eixo horizontal do gráfico apresenta uma escala de brilho que vai da esquerda para a direita, começando do 0 (preto) até 255 (branco). No eixo vertical, o gráfico indica o número de pixels com esse brilho. Ou seja, um pico grande significa que muitos pixels possuem esse brilho. Isso significa que uma imagem muito escura terá picos na esquerda do gráfico, enquanto um brilhante tem pico à direita.

Verificar o histograma após cada disparo aumentará sua compreensão da distribuição de brilho de uma imagem. Ele também permitirá que você determine se uma imagem está sub ou superexposta, com a maioria dos pixels sendo agrupados para a esquerda ou direita do gráfico, respectivamente.

  1. Use uma lente fixa

O uso de uma lente fixa proporciona uma nova perspectiva. Ela vai te forçar a caminhar para se aproximar ou se afastar do assunto, avaliando-o através do visor e depois disparar ou mover-se novamente para encontrar um ponto novo ou alternativo. Isso obriga você a explorar o assunto de forma mais completa e logo você terá uma melhor compreensão do ângulo de visão da lente.

Além de permitir que você perceba melhor a iluminação, se você levar apenas uma lente fixa para um ensaio ou um passeio durante um dia, você terá um conhecimento maior sobre essa distância focal e, no futuro, poderá decidir qual lente usar em sua câmera apenas olhando a cena e enquadrando uma imagem em sua mente.

  1. Defina um balanço de branco específico

Os modernos sistemas automáticos de balanço de brancos são extremamente capazes, mas isso nem sempre é bom porque significa que você não está sob o controle da imagem. Isso pode ser bom na maioria das vezes, mas se a câmera oferecer um resultado que não gosta, você pode encontrar-se um pouco limitado.

A resposta é sair da segurança do balanço de branco automático e escolher um valor de balanço de branco predefinido para as condições de iluminação apropriadas. Você pode achar que a configuração “Daylight” ou “Sunny” proporcionem os melhores resultados na maior parte das vezes quando você está fora, mas vale a pena experimentar com os outros para avaliar seu impacto em uma série de condições para que você saiba quando usá-las no futuro.

Não tenha medo de usar o equilíbrio de branco incorreto – você pode obter alguns resultados incrivelmente legais se usar um ajuste de tungstênio durante a luz do dia, criando imagens com uma atmosfera fria.

  1. Defina um valor de balanço de branco personalizado

É fácil configurar o valor do balanço de branco personalizado de uma câmera, basta configurá-lo para o modo “Custom” e depois fotografe um cartão branco ou neutro com a mesma luz que o seu assunto.

Na prática, pode ser pouco complicado, porque o ângulo em que você segura o cartão pode ter um enorme impacto sobre o resultado final. Se a luz principal vier diretamente do seu assunto, por exemplo, e você inclina o cartão ligeiramente para baixo em direção a uma área colorida sob o assunto, você terá um resultado muito diferente do que se você segurar o cartão ligeiramente inclinado para cima.

Saiba como fazer uma configuração de equilíbrio de branco personalizada com sua câmera e experimentando o cartão de balanço de branco em diferentes ângulos para ver por si mesmo e aprender. Se você achar que não gostar do aspecto neutro das imagens que sua câmera produz neste modo, experimente os controles de ajuste até encontrar uma configuração que funcione para você.

  1. Use o modo de exposição manual

Embora os modos de exposição de abertura e prioridade do obturador sejam muito úteis, eles deixam a decisão sobre o quão brilhante ou escura a imagem aparecerá na câmera. O modo de exposição manual coloca você no comando e força você a pensar sobre a iluminação sobre o seu assunto e seus arredores. Isso também significa que você deve considerar a profundidade de campo e o efeito de movimento ou congelamento.

  1. Publique uma única imagem todos os dias

Ao invés de disparar de forma esporádica e publicar imagens no Facebook, Twitter, Flickr, Instagram ou qualquer outra redes sociais ou de compartilhamento de imagens, aleatoriamente, tente se comprometer a realizar, editar e publicar apenas uma foto todos os dias. Isso incentivará seus poderes de criatividade, ajudando você a encontrar novos assuntos e explorar novas áreas ou gêneros de fotografia.

Isso também significará que você tem que avaliar criticamente cada série para identificar a melhor foto desse dia para publicar. Onde quer que você publique sua imagem, faça saber o que você está fazendo, pois isso irá sublinhar seu compromisso. Também é muitas vezes uma boa ideia solicitar críticas construtivas para ajudá-lo a ver seus tiros de outro ponto de vista e melhorar como fotógrafo.

Fonte: https://goo.gl/u5Bv29

FOCUS Escola de Fotografia –  http://focusfoto.com.br
Conheça os novos cursos da Focus: http://focusfoto.com.br/cursos/

Confira opinião de Ex-Alunos: https://goo.gl/yRlkM9
Fale com a Focus: [email protected]

Seja fotografo regulamentado
Obtenha seu registro Mtb de fotografo profissional

 Referência em ensino de fotografia
“Faça bem feito, faça Focus – Desde 1975”

Sobre o autor

ATENÇÃO: OS TEXTOS, MATÉRIAS TÉCNICAS, APRESENTADAS NESSE BLOG SÃO PESQUISADAS, SELECIONADAS E PRODUZIDAS PELOS ALUNOS, PROFESSORES E COLABORADORES DA FOCUS PARA USO MERAMENTE DIDÁTICO E COMPLEMENTAR ÁS AULAS DE FOTOGRAFIA NAS MODALIDADES DE CURSOS PRESENCIAIS OU A DISTÂNCIA EAD, MANTIDOS PELA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA, SEM QUALQUER OUTRO TIPO DE PROPÓSITO, RELEVÂNCIA OU CONOTAÇÃO. PARA MAIORES INFORMAÇÕES CONSULTE https://focusfoto.com.br A Focus é a única escola de fotografia no Brasil, que oferece ao aluno o direito de obter seu REGISTRO LEGALIZADO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL, emitido pelo Ministério do Trabalho, por meio de cursos com carga horária total de 350 horas, incluindo períodos de estágio, preparo e defesa de TCC OS CURSOS DA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA SÃO RECONHECIDOS PELA LEI N. 9.394, ARTIGO 44, INCISO 1 (LEI DE EDUCAÇÃO) O REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL é unificado, sendo o mesmo obtido pelas melhores Universidades Públicas do Estado de São Paulo. E você poderá obtê-lo EM QUALQUER MODALIDADE DE CURSOS DA FOCUS, presenciais ou a distância EAD em menos de 6 meses de curso. O aluno obterá seu REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL diretamente nas agências regionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Este registro é fundamental para o exercício legal da profissão, constituição de seu próprio negócio, ingressos em concursos públicos e processos admissionários em empresas de fotografia, públicas ou particulares, bancos de imagens, agências de notícias, jornalismo e consularização de seu registro de fotógrafo, caso queira trabalhar em outros países ou Ongs. Internacionais, como "FOTÓGRAFOS SEM FRONTEIRAS" entre outras modalidades. SEJA FOTÓGRAFO DEVIDAMENTE REGULAMENTADO. QUALIDADE E EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO FOTOGRÁFICA É NOSSO DIFERENCIAL HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS. Os alunos recém-formados pela Focus competem em nível de igualdade com fotógrafos profissionais que estão no mercado há mais de 30 anos. Na FOCUS, o aluno entra no mercado de trabalho pela porta da frente! Os alunos, após formados, são encaminhados para o mercado de trabalho. Cursos 100% práticos, apostilados e com plantão de dúvidas. Faça bem feito, faça Focus! Há mais de 44 anos formando novos profissionais. AUTOR DO PROJETO e MEDIADOR DESSE BLOG: Prof. Dr. Enio Leite Alves, Professor Titular aposentado da Universidade de São Paulo, nascido em São Paulo, SP, 1953. PROF. DR. ENIO LEITE: Área de atuação: Fotografia educacional, fotografia autoral, fotojornalismo, moda, propaganda e publicidade. Pesquisador iconográfico. Sociólogo, jornalista, físico, fotoquímico, inventor e docente universitário. Fotografo de imprensa desde 1967, prestando serviços para os Diários Associados e professor do Sesc e do Curso de Artes Fotográficas Senac Dr. Vila Nova, São Paulo. Fotografo do Jornal da Tarde em 1972 -1973. Em 1975, funda a FOCUS – ESCOLA DE FOTOGRAFIA, primeira instituição de ensino técnico e tecnológico da AMÉRICA LATINA. No mesmo ano, suas fotos são premiadas na 13ª Bienal Internacional de São Paulo, quando a fotografia passa a reconhecida pela primeira vez como obra de valor artístico. Enio Leite, fundador do MOVIMENTO PHOTOUSP no início dos anos 70, com Raul Garcez e Sergio Burgi, entre outros, no centro acadêmico da Escola Politécnica, na Cidade Universitária, São Paulo-SP. Professor de fotografia publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing, (ESPM), 1982 a 1984. Mestre em Ciências da Comunicação em 1990, pela Escola de Comunicação e Artes, USP. Doutor em História da Fotografia, Fotoquímica, Óptica fotográfica e Fotografia Publicitária Digital, em 1993, pela UNIZH, Suíça. No ano de 1997 obteve Livre Docência na Universitá Degli Studi di Roma Tre. Professor convidado pela Miami Dade University, Flórida, 1995. Pesquisador e escritor, publicou o primeiro livro didático em língua portuguesa sobre fotografia digital, Editora Viena, São Paulo, maio 2011, já na quarta edição e presente nas principais universidades brasileiras portuguesas. Colabora com artigos, ensaios, pesquisas e títulos sobre fotoquímica, radioquímica, técnica fotográfica, tecnologia digital da imagem, semiótica e filosofia da imagem para publicações especializadas nacionais e internacionais. (Fonte: Agência Estado - 12/03/2019)

Deixe seu comentário

  • (não será mostrado)